IPCA
0.19 Jul.2019
Topo

Williams, do Fed, vê necessidade de vacinar economia contra riscos quando juros estão baixos

18/07/2019 16h42

NOVA YORK (Reuters) - Os formuladores de políticas precisam adicionar logo estímulos para lidar com inflação muito baixa quando as taxas de juros estão próximas de zero e não podem esperar que ocorra um desastre econômico, disse nesta quinta-feira uma autoridade do Federal Reserve.

Em um discurso lido como um forte argumento a favor de uma rápida e agressiva ação do Fed para reduzir os juros neste mês, o presidente do Fed de Nova York, John Williams, disse que uma das lições de sua pesquisa é que, quando juros e inflação estão baixos, os formuladores de política monetária não podem se segurar e esperar que potenciais problemas econômicos se materializem.

Ele disse que isso é especialmente verdadeiro com o juro neutro --aquele que não restringiria nem aceleraria a economia dos EUA-- "em torno de 0,5%". A taxa de juros do Fed está atualmente em um intervalo entre 2,25% e 2,50%.

"É melhor adotar medidas preventivas do que esperar que um desastre se desenrole", disse Williams em declarações preparadas para uma conferência.

"Quando se tem tanto estímulo à disposição, compensa agir rapidamente para reduzir os juros no primeiro sinal de estresse econômico."

Os rendimentos dos títulos de curto prazo mergulharam depois das declarações, com o "yield" do Treasury 2 anos caindo abaixo de 1,78%, ante mais de 1,81% segundos antes.

Os preços de contratos futuros de taxa de juros subiram, indicando mais chances de um corte mais acentuado nos juros em breve, enquanto os mercados de ações de Wall Street foram às máximas do dia.

Nas últimas semanas, autoridades do Fed identificaram uma série de preocupações que eles acreditam que poderia encerrar o que é agora a mais longa expansão econômica já registrada. Entre essas preocupações está a guerra comercial entre EUA e China que afeta a confiança empresarial, a desaceleração da indústria e a inflação abaixo da meta do Fed de 2%.

Williams, que votará no comitê que define os juros nos EUA nos próximos dias 30 e 31 de julho, pareceu particularmente preocupado com a inflação, com a medida preferencial do Fed para os preços em alta de 1,6% ao ano agora.

"As pessoas podem começar a esperar que isso continue assim, criando um ciclo, empurrando a inflação para baixo a longo prazo", disse Williams.

"O nível médio mais baixo da inflação se traduz em um nível menor de cortes de juros disponíveis durante uma recessão, tornando ainda mais difícil para os formuladores de políticas cumprirem suas metas."

Adotar uma ação rápida para cortar os juros diante de "condições econômicas adversas" e manter os juros mais baixos por mais tempo, segundo Williams, "deve vacinar a economia e protegê-la da doença mais traiçoeira da inflação baixa demais".

Outros formuladores de políticas do Fed parecem menos convictos sobre o tema. A presidente do Fed de Kansas City, Esther George, por exemplo, sugeriu na quarta-feira que poderia estar disposta a apoiar um corte, mas apenas se os riscos econômicos iminentes se materializarem.

(Reportagem de Trevor Hunnicutt)

Mais Economia