IPCA
0.11 Ago.2019
Topo

Brasil deve se manter neutro em guerra comercial entre EUA e China, diz ministra

18.jul.2019 - O presidente Jair Bolsonaro (PSL) e a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, durante evento que marcou 200 dias do governo - MYKE SENA/ ESTADÃO CONTEÚDO
18.jul.2019 - O presidente Jair Bolsonaro (PSL) e a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, durante evento que marcou 200 dias do governo Imagem: MYKE SENA/ ESTADÃO CONTEÚDO

Ana Mano

05/08/2019 14h25

SÃO PAULO (Reuters) - A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, afirmou nesta segunda-feira que o Brasil deve permanecer neutro na guerra comercial entre Estados Unidos e China, buscando que seus produtos agrícolas estejam no maior número possível de mercados.

Em entrevista coletiva, Tereza disse que enquanto as duas maiores economias do mundo discutem suas diferenças, o Brasil buscará manter boas relações e fluxos comerciais com ambos.

"Eu digo que o Brasil, embora eu não seja ministra das Relações Exteriores, deve se manter fora dessa briga", disse ela em resposta a uma questão da Reuters.

"Os EUA são um competidor na venda de produtos agrícolas à China. A China é um grande parceiro comercial. O Brasil possui produtos que podem ser vendidos a ambos os mercados", afirmou Tereza.

A ministra classificou EUA e China como "negociadores duros" e recusou-se a prever um resultado das conversas entre os países. Ela também disse que o Brasil não seria capaz de substituir totalmente aos EUA como fornecedor de alimentos à China.

"Ainda é cedo para fazer projeções", disse ela em relação às possíveis alterações na demanda por conta da guerra comercial.

Segundo Cristina, o Brasil está monitorando as negociações para avaliar como o resultado pode afetar o país no cenário global do agronegócio.

A produção excedente brasileira alimenta 1,2 bilhão de pessoas em todo o mundo, de acordo com a ministra, e o país continuará negociando acesso a novos mercados.

Tereza Cristina disse que nas próximas semanas deve viajar ao Oriente Médio, EUA e Canadá para discutir comércio agrícola.

Como é difícil encontrar um produto "Made In Brazil" no comércio local

UOL Notícias

Mais Economia