PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Reguladores dos EUA aliviam padrão contábil de bancos

27/03/2020 14h46

Por Pete Schroeder

WASHINGTON (Reuters) - Os reguladores bancários dos Estados Unidos anunciaram nesta sexta-feira que os bancos teriam a opção de ignorar as implicações de capital de um novo padrão contábil global por dois anos, em uma tentativa de garantir que eles continuem concedendo empréstimos durante a pandemia.

O Federal Reserve, a Federal Deposit Insurance Corporation e o Escritório da Controladoria da Moeda também votaram para permitir que os bancos adotem antecipadamente uma nova metodologia para medir o risco de crédito de contraparte em transações com derivativos, agora funcional no final de março. Os reguladores disseram que a adoção antecipada pode "suavizar interrupções" no mercado.

Os ajustes regulatórios são a mais recente medida em um esforço de longa duração dos reguladores para afrouxar as regras para bancos em meio à pandemia de coronavírus, em uma tentativa de garantir que eles continuem concedendo empréstimos e apoiando a economia.

Especificamente, os reguladores disseram que os bancos serão capazes de ignorar requisitos de capital potencialmente mais altos que possam enfrentar segundo um novo padrão contábil global. O padrão "perda de crédito esperada atual" exige que os bancos façam previsões de possíveis perdas futuras em empréstimos, o que os bancos dizem que pode ser particularmente problemático no atual cenário.

Os bancos agora teriam a opção de adiar por dois anos a adoção do novo padrão, seguido por um período de transição de três anos. O alívio regulatório ocorre quando o Congresso está pronto para aprovar uma abrangente lei de alívio econômico que permitiria aos bancos ignorar o padrão por um ano.

Separadamente, os reguladores também concordaram em permitir que os bancos adotassem sua nova regra para medir o risco de contraparte um trimestre antes, se assim o desejarem. Os reguladores disseram que, ao permitir que os bancos usem a nova regra mais cedo, a partir do final de março, as empresas terão acesso a uma estrutura mais sensível ao risco durante um período volátil.