PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

Dólar engata 4ª semana de ganhos com receio fiscal no radar

21/08/2020 17h07

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar voltou a fechar em firme alta nesta sexta-feira, superando 5,60 reais, renovando máxima em três meses e concluindo a quarta semana consecutiva de valorização --o que não ocorria desde o fim de abril--, amparado pelo somatório de desconforto fiscal doméstico e reavivamento da divisa no exterior.

O dólar à vista subiu nesta sexta 0,95%, a 5,6068 reais. É o maior patamar desde 20 de maio (5,6902 reais).

Ao longo da sessão, a moeda chegou a saltar 1,44%, para 5,634 reais, e, na mínima, praticamente zerou a alta, com variação positiva de 0,04%, a 5,5562 reais.

Na semana, a cotação ganhou 3,31%, a quarta seguida no azul, período em que apreciou 7,68%.

Em agosto, o dólar sobe 7,44%. No ano, dispara 39,72%.

No exterior, o índice do dólar valorizava-se 0,6%, a caminho de escapar da nona semana consecutiva de perdas. Dados fortes de atividade empresarial nos EUA deram respaldo global à moeda norte-americana nesta sessão.

No Brasil, o mercado chegou a esboçar tentativa de evitar nova alta da moeda, depois de na véspera a Câmara dos Deputados ter mantido veto presidencial de um dispositivo que abria margem para concessão de reajuste salarial a servidores públicos, depois de o Senado Federal ter surpreendido ao derrubar esse veto, o que causou grande estresse nos mercados na quinta-feira.

Nesta sexta, o presidente Jair Bolsonaro fez um aceno ao Congresso e elogiou os "muito valorosos" parlamentares que ajudaram na manutenção do veto presidencial, ressaltando que tem "sócios" no Congresso.

Contudo, o mercado avalia que a sequência de eventos deixou um gosto amargo.

"O tema fiscal deve continuar em destaque na próxima semana, já que o governo tem até 31 de agosto para enviar o projeto do Orçamento de 2021, com as diretrizes para cumprimento do teto de gastos. Após aumento relevante das despesas neste ano, para limitar os efeitos da pandemia, o desafio de cumprir o teto e cortar gastos persiste", disse o Bradesco em nota.

O real tem sido especialmente impactado pelas preocupações de ordem fiscal também porque investidores avaliam que o nível baixo dos juros não compensa os riscos.

"Esperamos que a taxa de câmbio permaneça fraca, refletindo o prêmio de risco elevado em meio ao frágil cenário macroeconômico e às baixas taxas de juros", disseram analistas do Bank of America. O banco estima dólar de 5,40 reais ao fim do ano, com banda de oscilação entre 5 reais e 5,50 reais até lá e com intervenções do Banco Central.

Nesta sexta, o BC vendeu 650 milhões de dólares em moeda spot, elevando a 1,79 bilhão de dólares o total colocado desde a véspera --movimento que, no mercado, é entendido como uma reação a saídas de recursos mais expressivas.

Felipe Pellegrini, gerente de tesouraria do Travelex Bank, avaliou que o real tem sido pressionado nas últimas semanas a despeito de alguma melhora no bloco de moedas emergentes. Segundo ele, na ausência de nova série de notícias negativas para o câmbio, essa depreciação pode ter chegado a um limite.

"Existe uma resistência forte nos 5,70 reais. Se o dólar não passar desse nível e se as notícias ajudarem, você tem um acúmulo de posições que podem ser desfeitas, ajudando o dólar a buscar talvez os 5,40 reais", disse.