PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

Relator da reforma tributária afirma que rusga entre Guedes e Maia não atrapalha andamento da proposta

O deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) - Reprodução/Twitter
O deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) Imagem: Reprodução/Twitter

Da Reuters, em Brasília

04/09/2020 18h03

BRASÍLIA (Reuters) - O relator da reforma tributária na comissão mista do Congresso, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), afirmou nesta sexta-feira que as rusgas entre o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) e o ministro da Economia, Paulo Guedes, não irão interferir no andamento da proposta.

Segundo o deputado, que pretende apresentar seu parecer no fim deste mês, a decisão do governo de retirar a urgência da proposta de reforma tributária encaminhada ao Legislativo não afeta o calendário e evita que a pauta da Casa fique trancada pela medida.

"O compromisso do presidente Rodrigo Maia, e quero inclusive destacar a postura do presidente Rodrigo Maia na defesa dos interesses do país, esse compromisso está acima de qualquer outro problema, quanto mais essas rusgas que possam acontecer", disse o relator à CNN.

Aguinaldo garantiu ainda que mantém o debate de forma "ampla" com a equipe econômica sobre o assunto, e pretende seguir com esse diálogo. Para o parlamentar, é importante que o Executivo se posicione sobre os outros temas da reforma além da sugestão já enviada ao Congresso.

"Estamos tratando de forma ampla. É óbvio que se o governo trouxer rapidamente a sua contribuição, será muito importante. Mas, se porventura não trouxer nesse tempo que nós estamos trabalhando, nós iremos até o governo para que o governo possa opinar sobre aquilo que nós estamos discutindo."

Na véspera, Maia disse estar encerrando as conversas com o ministro da Economia, citando como motivo cancelamento de almoço que teria nesta semana com secretários da pasta.

Aguinaldo aproveitou para negar que o envio da reforma administrativa do governo ao Congresso interfira na proposta de reorganização do sistema tributário.

"De forma alguma", disse. "As reformas não são concorrentes."

(Reportagem de Maria Carolina Marcello)