PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Setor siderúrgico melhora projeções de desempenho para 2020

01/10/2020 12h55

SÃO PAULO (Reuters) - A indústria de produção de aço voltou a elevar projeções de desempenho para 2020 e avalia que terá crescimento em 2021, com base nos dados de encomendas recebidas nos últimos meses, afirmaram executivos do setor nesta quinta-feira.

A expectativa para o consumo aparente da liga no país foi revista de queda de 14,4% para recuo de 4,7%, para cerca de 20 milhões de toneladas, informou o Instituto Aço Brasil (IABr), que representa produtores no país como Usiminas e ArcelorMittal.

"Nossos cálculos são feitos em função do que seria a percepção do mercado. No setor de (aços) planos, que tinha queda prevista de consumo de 18%, cairá 8% e longos deve terminar o ano sem previsão de queda", disse o presidente-executivo da entidade, Marco Polo de Mello Lopes, a jornalistas.

O setor também projeta agora que as vendas de aço no Brasil vão cair 3,1% este ano, para 18,2 milhões de toneladas, ante expectativa anterior de recuo de 12,1% divulgada em julho. A previsão para a produção também foi revista: de tombo de 13,4% para queda de 6,4%, a 30,5 milhões de toneladas.

Segundo Lopes, o setor atualmente ocupa cerca de 63% de sua capacidade instalada, mas esse percentual deve subir para perto de 70% até o final do ano.

A entidade também afirmou que todos as áreas de aciaria e laminação das usinas siderúrgicas do país estão atualmente em operação e que seis alto-fornos que tinham sido paralisados antes da crise provocada pela epidemia seguem fora de operação. Questionado sobre o alto-forno 2 da CSN, que não integra a entidade, Lopes afirmou que "temos informação de que a CSN vai religar em novembro".

RECUPERAÇÃO EM V

Os comentários foram feitos durante visita do secretário especial de competitividade do governo federal, Carlos da Costa, a instalações da Gerdau no interior paulista. Costa citou em entrevista presencial com jornalistas que a economia brasileira está passando por forte recuperação e que "vamos terminar o ano com centenas de milhares de contratações...2021 será um ano espetacular".

Na véspera, o Ministério da Economia divulgou dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), mostrando criação de 249.388 vagas formais de trabalho em agosto, acima do esperado.

"Temos já o segundo mês de crescimento de emprego...Emprego é primeiro a cair e último a voltar", disse Costa, citando que a recuperação da economia tem se dado na forma de 'V' e que é normal haver desabastecimento de algumas cadeias de fornecimento após os estoques terem sido fortemente reduzidos.

Para Costa, o único setor que ainda enfrenta "dificuldades sérias" é o de serviços, algo que ele atribuiu em alguns casos a "alguns governos estaduais e municipais que estão exagerando" em medidas de contenção da epidemia. Ele não citou nomes.

Questionado sobre a eventual retirada das medidas emergenciais de suporte à economia, como o auxílio emergencial, Costa foi enfático: "O que move economia não é o governo. Todas as medidas que adotamos, como o auxílio emergencial, foram para mitigar o impacto da crise. Uma vez voltando a economia, o impacto do retorno é superior ao auxílio".

"Não podemos achar que economia dependerá do auxílio. O que estimula economia é produtividade, confiança, emprego e isso que está retornando de maneira muito acelerada", adicionou ele.

(Por Alberto Alerigi Jr.)