PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

EUA estão próximos de aprovar retorno do 737 MAX, mas Boeing ainda enfrenta desafios

Avião 737 MAX na fábrica da Boeing, em Renton, nos EUA - Ruth Fremson/The New York Times
Avião 737 MAX na fábrica da Boeing, em Renton, nos EUA Imagem: Ruth Fremson/The New York Times

Por David Shepardson

16/11/2020 09h48

WASHINGTON (Reuters) - Depois de um impasse com reguladores globais, problemas na gestão e uma enorme reformulação de segurança, a Boeing deve obter na quarta-feira (18) a aprovação dos EUA para retomar os voos de seu 737 MAX.

Mas a maior fabricante de aviões dos Estados Unidos enfrenta ventos contrários com o coronavírus e novas tarifas europeias, enquanto se esforça para colocar seu jato mais vendido em serviço.

A decisão da FAA ocorre no momento em que outros reguladores globais também se aproximam das decisões sobre permitir que o avião volte a operar.

A FAA está exigindo um novo treinamento para lidar com um sistema de segurança essencial chamado MCAS ligado aos dois acidentes que mataram 346 pessoas e levaram à suspensão do avião em março de 2019. Também está exigindo novas proteções para o sistema e outras mudanças de software.

Após a aprovação, as companhias aéreas devem concluir as atualizações de software e o treinamento de novos pilotos, um processo que levará pelo menos 30 dias, antes que os aviões possam retornar aos céus.

A FAA disse que não delegaria sua autoridade para emitir certificados de aeronavegabilidade e certificados de exportação para os 450 aviões 737 MAX fabricados desde a suspensão, e planeja realizar inspeções individuais e presenciais.

Esse processo pode levar um ano ou mais para ser concluído.

A Southwest Airlines, a maior operadora MAX do mundo, disse que levará vários meses para cumprir os requisitos da FAA e não planeja programar voos com a aeronave até o segundo trimestre de 2021.