PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Mastercard prevê que BC autorizará WhatsApp para pagamentos no 1º tri de 2021

Mastercard prevê que BC autorizará WhatsApp para pagamentos no 1º tri de 2021 - Imagem: Christoph Scholz (Flickr)
Mastercard prevê que BC autorizará WhatsApp para pagamentos no 1º tri de 2021 Imagem: Imagem: Christoph Scholz (Flickr)

08/12/2020 14h41

SÃO PAULO (Reuters) - A Mastercard previu hoje que o Banco Central pode autorizar no primeiro trimestre de 2021 o uso do WhatsApp para pagamentos, após terem sido solucionadas preocupações do regulador sobre a inovação.

"Temos tido reuniões semanais com o Banco Central e acho que estamos perto da permissão do WhatsApp para pagamentos", disse o presidente da Mastercard para o Brasil e Cone Sul, Pedro Paro Neto, em entrevista a jornalistas, agregando que espera o aval para o primeiro trimestre do ano que vem.

O BC suspendeu o serviço anunciado pelo Whatsapp, em junho, alegando a necessidade de que ele passasse por um processo de autorização. O modelo previa a transferência de recursos por meio do aplicativo através de cartões, com uso dos sistemas de pagamentos existentes da Visa e da Mastercard.

Fontes próximas às discussões apontaram que o lançamento de pagamentos pelo Whatsapp antes do início pleno de operações do Pix poderia afetar negativamente a nova plataforma de pagamentos instantâneos do BC, lançado no mês passado.

PREVISÕES

Paro Neto também previu que os pagamentos com cartões de débito e de crédito no Brasil em 2021 deve crescer cerca de 16%, já considerando o término do pagamento do auxílio-emergencial pelo governo federal.

Para este ano, o executivo prevê alta de ao redor de 11% sobre o ano passado. O número é menor do que a expansão de 18% inicialmente prevista para 2020.

"Mas estamos felizes com o balanço de 2020, considerando tudo o que aconteceu", disse ele, referindo-se à crise provocada pela pandemia da Covid-19.

A Mastercard estimou que a participação dos cartões nos pagamentos de compras atingiu cerca de 50% dos gastos das famílias no país neste ano, ante cerca de 45% no ano passado, dado que as medidas de isolamento social aceleraram a troca de dinheiro em espécie por meios eletrônicos.

PUBLICIDADE