PUBLICIDADE
IPCA
1,25 Out.2021
Topo

Dólar opera sem viés claro ante real com foco em alta nos rendimentos dos títulos

26/02/2021 09h12

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar oscilava entre altas e baixas contra o real nesta sexta-feira, operando sem rumo claro em dia de formação da Ptax de fim de mês, e caminhando para fechar a semana em forte alta à medida que os investidores acompanhavam a cautela global diante dos saltos nos rendimentos dos títulos soberanos.

Às 10:39, o dólar recuava 0,12%, a 5,5028 reais na venda, depois de ter chegado a saltar a 5,5463 reais na máxima do dia. A briga entre comprados e vendidos em dia de formação da Ptax de fim de mês era apontada como fator de atenção nesta sexta-feira, com possibilidade de volatilidade.

O principal contrato de dólar futuro caía 0,43%, a 5,508 reais.

No exterior, o índice do dólar era impulsionado pela alta dos rendimentos dos títulos do governo, especialmente dos Treasuries.

As taxas dos títulos norte-americanos de dez anos foram a novas máximas na quinta-feira, após apresentarem trajetória de alta por boa parte da semana, o que levou à precifição por parte de operadores de um aperto monetário mais cedo do que a sinalização do Federal Reserve e outros bancos centrais.

"A escalada da curva dos juros nos Estados Unidos é consequência da combinação entre a perspectiva de expansão fiscal e o progresso na vacinação contra a Covid-19, aumentando substancialmente as chances de recrudescimento do processo inflacionário no país", explicou em nota Ricardo Gomes da Silva, superintendente da Correparti Corretora

"Ontem o rendimento da T-Note de dez anos ultrapassou a marca de 1,5%, no maior nível em um ano, o que justifica a valorização do dólar em relação às demais moedas fortes e principalmente perante as moedas dos países exportadores de commodities."

Nesta manhã, peso mexicano, peso chileno, lira turca e dólar australiano, divisas consideradas arriscadas, operavam com quedas expressivas frente à moeda dos Estados Unidos.

Enquanto isso, no Brasil, um cenário repleto de incertezas políticas e fiscais colaborava para deixar o dólar no caminho de alta semanal de cerca de 2,3%.

Diante de resistências a medidas de ajuste fiscal e à desvinculação de receitas da saúde e da educação, a leitura do parecer da PEC Emergencial -- que abre caminho para a concessão de auxílio emergencial à população -- ocorrerá apenas na próxima terça-feira, depois de ter sido agendada para a última quinta-feira.

A notícia vem num momento de desconforto dos mercados com a saúde das contas públicas, em meio a temores de que a ajuda financeira para os mais vulneráveis não seja acompanhada de cortes de gastos. O presidente Jair Bolsonaro disse na quinta-feira que o auxílio emergencial deve retornar, no valor de 250 reais, a partir de março e com vigência de quatro meses.

Enquanto isso, ao fim de uma semana que foi protagonizada pela Petrobras após Bolsonaro decidir trocar o atual CEO, Roberto Castello Branco, pelo General Joaquim Silva e Luna, os operadores ficavam atentos a sinais de intervenção do governo nas empresas estatais.

Na quinta-feira, Bolsonaro disse que todas as estatais precisam cumprir uma função social e é inadmissível um presidente de uma dessas companhias que não tenha essa compreensão. Vários analistas entenderam que sua fala está relacionada aos preços dos combustíveis, depois que a Petrobras efetuou na sexta-feira passada uma alta de 15% no diesel, contrariando interesses da cúpula do governo.

"O receio com a intervenção do governo na Petrobras e a falta de avanços concretos com a PEC Emergencial mantêm o investidor extremamente desconfortável entrando na última sessão da semana", disse em nota Victor Beyruti, economista da Guide Investimentos.

O dólar spot fechou o último pregão em alta de 1,62%, a 5,5096 reais na venda.

Nesta sexta-feira, o Banco Central fará leilão de swap tradicional para rolagem de até 16 mil contratos com vencimento em junho e outubro de 2021.

PUBLICIDADE