PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

The Economist pede que chefe do FMI renuncie após escândalo de dados do Banco Mundial

A revista pede a renúncia de Kristalina Georgieva e defende que quem lidera o FMI deve mostrar neutralidade - MIKE THEILER
A revista pede a renúncia de Kristalina Georgieva e defende que quem lidera o FMI deve mostrar neutralidade Imagem: MIKE THEILER

David Lawder e Andrea Shalal

23/09/2021 15h34

A revista The Economist pediu nesta quinta-feira que a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, renuncie ao cargo depois que um escândalo de manipulação de dados relacionado à China enquanto ela estava no Banco Mundial veio a público, dizendo que isso minou a credibilidade do FMI.

A influente revista, com sede em Londres, disse em um editorial contundente que as conclusões de uma investigação externa — de que Georgieva pressionou sua equipe por mudanças nas classificações do ranking "Doing Business", do Banco Mundial, em 2017, de forma a favorecer a China — comprometem a capacidade do FMI de agir como guardião de dados para as estatísticas macroeconômicas do mundo.

"Quem lidera o FMI deve mostrar neutralidade enquanto dois de seus maiores acionistas, Estados Unidos e China, se confrontam numa nova era de rivalidade geopolítica", disse a The Economist, acrescentando que os críticos do multilateralismo já estão citando as descobertas como evidência de que os organismos internacionais não têm capacidade de enfrentar a China.

"A próxima vez que o FMI tentar arbitrar uma disputa cambial, ou ajudar a reescalonar a dívida de um país que tomou emprestado da China, os críticos do fundo certamente citarão esta investigação para minar a credibilidade da instituição. É por isso que Georgieva, uma estimada servidora de várias instituições internacionais, deve renunciar", disse o editorial.

PUBLICIDADE