PUBLICIDADE
IPCA
-0,68 Jul.2022
Topo

Preço de curto prazo de energia sai do piso em julho após redução de estimativa em reservatórios

O chamado Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) vem registrando ligeira alta neste mês - Nando Vidal/Getty Images/iStockphoto
O chamado Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) vem registrando ligeira alta neste mês Imagem: Nando Vidal/Getty Images/iStockphoto

Letícia Fucuchima

21/07/2022 11h12Atualizada em 21/07/2022 11h28

O preço de energia elétrica no mercado brasileiro do curto prazo descolou em julho do piso regulatório de 55,70 reais por megawatt-hora, no qual se mantinha desde fevereiro, em função de uma piora da hidrologia sobretudo na região Sul, segundo a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE).

O chamado Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) vem registrando ligeira alta neste mês, tendo alcançado média diária de 69,56 reais por megawatt-hora no submercado Sudeste/Centro-Oeste na segunda-feira.

Segundo o gerente de preços da CCEE, Humberto Alencar, o aumento do PLD reflete principalmente as menores vazões no Sul, região que apresentava valores acima da média histórica desde abril.

"Atualmente a meteorologia vem indicando a permanência do cenário de La Niña para os próximos meses, o que acaba não contribuindo para as precipitações na região Sul", disse, em nota.

Na sexta-feira passada, o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) ajustou sua previsão para as chuvas em reservatórios de usinas hidrelétricas da região Sul em julho, passando a estimar o equivalente a 88% da média histórica, ante 114% esperados na semana anterior.

Ainda assim, os reservatórios de hidrelétricas do Brasil continuam em condições muito mais favoráveis do que as registradas em 2021, quando o país enfrentou uma crise hídrica que impactou a geração hidrelétrica, levando à disparada dos custos com energia elétrica.

Costa observa que os níveis de armazenamento do Sistema Interligado Nacional (SIN) devem chegar a 44% ao final de novembro, quando costuma ter início o período chuvoso.

Para o Sudeste/Centro-Oeste, o principal submercado do país, o nível de 38% representa para essa época o melhor valor observado desde 2013, acrescentou.

Para o preço de curto prazo, a expectativa é de permanência em valores ligeiramente acima do piso regulatório no próximo mês.

"Mas dentre os cenários que estamos simulando, observamos uma tendência de retorno ao piso a partir de setembro e nos demais meses deste ano", afirmou.