PUBLICIDADE
IPCA
0,67 Jun.2022
Topo

Rússia retoma fluxos de gás para Europa após disputa por guerra na Ucrânia

7 jan. 2022 - Estação de recebimento de gás do gasoduto Nord Stream 2, em Mecklemburgo-Pomerânia Ocidental, Lubmin, Alemanha - Stefan Sauer/picture aliança via Getty Images
7 jan. 2022 - Estação de recebimento de gás do gasoduto Nord Stream 2, em Mecklemburgo-Pomerânia Ocidental, Lubmin, Alemanha Imagem: Stefan Sauer/picture aliança via Getty Images

Eileen Soreng, Bharat Govind Gautam, Brijesh Patel e Arpan Varghese em Bengaluru; Nina Chestney em Londres; François Murphy em Viena; Christoph Steitz em Frankfurt; e Kirsti Knolle em Berlim

21/07/2022 08h21Atualizada em 21/07/2022 08h33

A Rússia retomou o bombeamento de gás para a Europa através de seu maior gasoduto nesta quinta-feira após uma interrupção de 10 dias, disse a operadora da infraestrutura, aliviando os temores imediatos de abastecimento de inverno da Europa depois que o presidente Vladimir Putin alertou que os fluxos poderiam ser cortados ainda mais ou interrompidos.

O fornecimento via Nord Stream 1, que corre sob o Mar Báltico até a Alemanha, foi interrompido para manutenção em 11 de julho, mas, mesmo antes dessa parada, os fluxos haviam sido cortados a 40% da capacidade do gasoduto em uma disputa provocada pela invasão da Ucrânia pela Rússia.

Os fluxos de quinta-feira voltaram ao nível de capacidade de 40%, mostraram os números do Nord Stream.

As interrupções no fornecimento prejudicaram os esforços europeus para reabastecer o armazenamento de gás para o inverno, aumentando o risco de racionamento, além de representar outro golpe para o frágil crescimento econômico se Moscou limitar ainda mais os fluxos em retaliação às sanções ocidentais pela guerra na Ucrânia.

"Estamos em processo de retomar o transporte de gás. Pode levar algumas horas para atingir os volumes de transporte indicados", disse mais cedo um porta-voz da operadora do gasoduto à Reuters.

Os fluxos físicos estavam em 29.289.682 kilowatts/hora entre 07h00 e 08h00 (horário local), segundo dados do site do Nord Stream 1, retornando ao nível de fluxos de pré-manutenção.

Klaus Mueller, presidente do regulador de rede da Alemanha, disse que a retomada dos fluxos de volta a 40% da capacidade não é um sinal de que as tensões estão diminuindo. "Infelizmente, a incerteza política e o corte de 60% a partir de meados de junho permanecem", disse ele no Twitter.

A Gazprom, que detém o monopólio das exportações de gás russo por gasoduto, não respondeu a um pedido de comentário.

Para tentar evitar uma crise de abastecimento no inverno, a Comissão Europeia propôs uma meta voluntária para todos os estados da UE de reduzir o uso de gás em 15% de agosto a março em comparação com os volumes do mesmo período de 2016-2021. A proposta da Comissão permitiria a Bruxelas tornar a meta obrigatória em caso de emergência de abastecimento.

"Energia como arma"

A Rússia está nos chantageando. A Rússia está usando a energia como arma", disse a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, na quarta-feira, acrescentando que a Europa precisa se preparar para o pior agora.

O Kremlin diz que a Rússia é um fornecedor confiável de energia e culpa as sanções pela redução dos fluxos.

A Europa tem buscado suprimentos alternativos, embora o mercado global de gás tenha se tornado mais apertado mesmo antes da crise da Ucrânia, com a demanda pelo combustível se recuperando da desaceleração induzida pela pandemia.