IPCA
0,46 Jul.2024
Topo

Preços do petróleo fecham em alta após China afrouxar restrições à covid, mas têm perda semanal

Petróleo - Angus Mordant/REUTERS
Petróleo Imagem: Angus Mordant/REUTERS

Laura Sanicola

11/11/2022 18h03

Os preços do petróleo fecharam em alta nesta sexta-feira, mas caíram no acumulado da semana, depois que as autoridades de saúde da China aliviaram algumas das pesadas restrições à Covid-19 do país, aumentando as esperanças de melhora na atividade econômica e na demanda no maior importador de petróleo do mundo.

Os futuros de petróleo Brent fecharam em alta de 2,32 dólares a 95,99 dólares por barril, estendendo um aumento de 1,1% em relação à sessão anterior, mas caindo 2,6% na semana.

Os contratos futuros de petróleo nos EUA (WTI) fecharam com alta de 2,49 dólares, ou 2,9%, a 88,96 dólares por barril, depois de subir 0,8% na sessão anterior, mas cair quase 4% na semana.

As flexibilizações da China incluem a redução de quarentenas em dois dias para contatos próximos de pessoas infectadas e para viajantes que chegam, e a retirada de uma penalidade para companhias aéreas por levarem casos ao país.

Os contratos de petróleo de referência caíram durante a semana devido ao aumento dos estoques de petróleo dos EUA e aos temores persistentes sobre a demanda limitada de combustível na China, mas os ganhos no final da semana limitaram as perdas.

"A mudança na resposta da China aos casos de Covid-19 insistentemente altos aumentou a volatilidade dos preços do mercado de petróleo e, se essa nova política chinesa continuar, o complexo de energia pode estar pronto para apagar a maior parte do declínio desta semana", disse Jim Ritterbusch, presidente da Ritterbusch and Associates LLC em Galena, Illinois.

Um dólar mais fraco também apoiou os preços do petróleo, pois torna a commodity mais barata para os compradores que detêm outras moedas.

Os preços também subiram nesta sexta-feira depois que a inflação nos EUA mais branda do que o esperado reforçou as esperanças de que o Federal Reserve desaceleraria os aumentos das taxas, aumentando as chances de um pouso suave para a maior economia do mundo.