IPCA
0,42 Fev.2024
Topo

Crescem pedidos para fim rápido de reinvestimento em esquema de títulos do BCE, dizem fontes

14/04/2023 12h01

Por Balazs Koranyi

WASHINGTON (Reuters) - Um número crescente de autoridades do Banco Central Europeu está pedindo que o banco pare de reinvestir dinheiro em seu maior esquema de compra de títulos, para ajudar a cortar seu balanço como parte dos esforços para combater a inflação, disseram fontes com conhecimento direto do assunto.

O BCE ainda detém 3,2 trilhões de euros em principalmente títulos governamentais mantidos em seu Programa de Compra de Ativos, comprados durante a era de inflação baixa na esperança de reduzir os custos dos empréstimos e, assim, impulsionar o crescimento econômico. O banco já está deixando 15 bilhões de euros desses títulos expirarem a cada mês.

Mais cedo, o chefe do banco central belga, Pierre Wunsch, disse à Reuters às margens da reunião de primavera do Fundo Monetário Internacional, em Washington, que é a favor de uma suspensão total dos reinvestimentos este ano.

Cinco outras fontes disseram à Reuters que, apesar da turbulência recente no setor bancário, todos os reinvestimentos deveriam acabar no segundo semestre do ano porque a redução do balanço patrimonial está ocorrendo muito lentamente, dada a prioridade de conter a inflação.

Nenhuma das fontes, que pediram para não serem identificadas, defendeu vendas de dívida pública ou privada, o que ainda pode acontecer mais tarde, mas não faz parte de nenhuma discussão agora.

Um porta-voz do BCE se recusou a comentar.

As fontes disseram que o BCE não deveria implementar uma parada brusca, no entanto, e poderia permanecer flexível para reagir a episódios como a volatilidade do setor bancário no mês passado. Mas quando os mercados estão calmos, como agora, o BCE deveria permitir que todas as dívidas vincendas expirem, disseram as fontes.

A zona do euro se saiu bem na volatilidade, argumentaram, e o BCE ainda tem seu Instrumento de Proteção de Transmissão, um esquema de compra de títulos não testado, à sua disposição para lidar com a volatilidade.

Uma interrupção no reinvestimento pode aumentar os custos dos empréstimos, mas com os rendimentos nominais em território positivo agora, a demanda por títulos também está em alta, e as fontes disseram que não há falta de apetite dos investidores.

Martins Kazaks, chefe do banco central da Letônia, adotou uma visão mais comedida, argumentando que os reinvestimentos devem parar quando as condições do mercado permitirem, mas não necessariamente em um calendário definido.

"Devemos acelerar o aperto quantitativo quando estivermos confiantes de que os mercados financeiros serão capazes de lidar com isso", disse Kazaks. "Acho que encolher o balanço é uma coisa importante e, se as condições financeiras permitirem, devemos fazê-lo."

O BCE se comprometeu com a cifra de 15 bilhões até o final do segundo trimestre e disse que esta decisão será revista, provavelmente em sua reunião de junho.