IPCA
0,42 Fev.2024
Topo

Núcleo da inflação da zona do euro sobe em março e mantém BCE em alerta

19/04/2023 07h31

Por Balazs Koranyi

FRANKFURT (Reuters) - A inflação na zona do euro diminuiu no mês passado, mas as leituras subjacentes permaneceram altas, disse a Eurostat nesta quarta-feira, confirmando dados preliminares que aumentaram as preocupações do Banco Central Europeu sobre a persistência das pressões de preços.

A inflação anual ao consumidor nas 20 nações que compartilham o euro caiu de 8,5% para 6,9%, principalmente devido a uma rápida queda nos custos de energia, já que os preços do gás natural continuam caindo após o salto de um ano atrás com a invasão da Ucrânia pela Rússia.

Mas as autoridades do BCE agora estão preocupadas com o fato de que os altos custos da energia tenham se infiltrado na economia em geral e persistam em tudo, desde serviços a salários, tornando a inflação mais difícil de domar.

De fato, excluindo alimentos não processados e combustível, os preços aceleraram para 7,5%, de 7,4%, enquanto uma medida de inflação ainda mais estreita, que também exclui álcool e tabaco, subiu para 5,7%, de 5,6%, em linha com os dados preliminares.

As leituras do núcleo persistentemente altas são o motivo pelo qual a maioria das autoridades do BCE já disse que as taxas de juros precisarão continuar subindo, apesar do recorde de 350 pontos-base de alta desde julho passado.

O debate agora parece estar entre um aumento de 25 pontos-base e um aumento de 50 pontos na reunião de 4 de maio, com os dados de inflação de abril, que serão divulgados apenas dois dias antes da decisão, provavelmente sendo o fator determinante.

Por enquanto, os mercados estão inclinados para um movimento menor, mas os investidores ainda veem uma chance em três de que o BCE opte por uma alta maior.

As apostas de que o Banco da Inglaterra também aumentará os juros em maio aumentaram na quarta-feira, depois que o Reino Unido se tornou o na Europa Ocidental a registrar inflação de dois dígitos em março.

O aumento dos juros pelo BCE em maio não deve ser o último, e os mercados agora veem um total de 85 pontos-base de aumentos antes que a taxa de depósito atinja seu pico, ou taxa terminal.

A principal preocupação do BCE é que a inflação de serviços, agora em 5,1%, esteja simplesmente muito rápida e possa sinalizar que os salários estão se tornando um problema importante, já que os preços dos serviços são predominantemente determinados pelos custos trabalhistas.

Outra questão é que a inflação de alimentos continua acelerando e isso tem um impacto desproporcional na percepção inflacionária dos consumidores, podendo alterar o comportamento dos gastos e pressionar as demandas salariais.

A inflação de alimentos não processados subiu para 14,7% no mês passado, de 13,9% em fevereiro.

Os salários estão subindo de 5% a 6% este ano, ainda se recuperando depois que os trabalhadores perderam uma parte de sua renda real para a inflação em 2022. Mas essa taxa é inconsistente com a meta de inflação de 2% do BCE, então a desinflação pode ser dolorosamente lenta.