IPCA
0,42 Fev.2024
Topo

Refinarias dos EUA devem registrar fortes ganhos no 1º tri; perspectiva de demanda diminui

24/04/2023 14h21

Por Laura Sanicola

(Reuters) - Os produtores de combustível dos Estados Unidos poderão divulgar lucros mais altos no primeiro trimestre nos próximos dias devido às fortes exportações e margens de receitas, mesmo com a queda da demanda por diesel durante o período.

As refinarias têm aproveitado uma onda de preços e demanda favoráveis, já que o fim da pandemia aumentou as margens. Os períodos alternados de maior demanda por produtos também ajudaram, com o combustível de aviação subindo recentemente devido à queda do diesel.

"Parece outro trimestre realmente forte para as refinarias dos Estados Unidos e seus balanços estão em ótima forma, mas no segundo trimestre as coisas estão realmente começando a cair", disse Matthew Blair, analista de refino da Tudor Pickering Holt.

A Valero Energy, a segunda maior refinaria norte-americana em capacidade, deve ter visto o lucro por ação mais do que triplicar para 7,23 dólares, com base na estimativa média de 17 analistas compilada pela Refinitiv, em comparação com 2,31 dólares por ação um ano atrás.

A maior refinaria norte-americana em volume Marathon Petroleum prevê um lucro por ação de 5,71 dólares em comparação com 1,49 dólares há um ano, enquanto a Phillips 66 pode render 3,60 dólares por ação, em comparação com 1,32 dólares há um ano, de acordo com a Refinitiv. Ambos devem apresentar os resultados no início de maio.

A Exxon Mobil sinalizou este mês que seus lucros de refino podem chegar a 3,55 bilhões de dólares no período, em comparação com 332 milhões de dólares no ano anterior, prejudicados pelos altos custos de manutenção.

As previsões de um segundo trimestre mais fraco refletem a queda nas exportações e aumentos de capacidade na Ásia, Oriente Médio e Costa do Golfo dos Estados Unidos, disseram analistas.

O "crack spread" do refino, um substituto para o lucro do processamento de um barril de petróleo em combustíveis, está pairando em torno de 30 dólares por barril, 10 dólares a menos do que há um ano, mostraram dados da Refinitiv.

A média de quatro semanas de produtos destilados fornecidos pelos Estados Unidos, um proxy para a demanda, permaneceu abaixo da média de cinco anos durante a maior parte do primeiro trimestre.