IPCA
0,46 Jul.2024
Topo

Dólar à vista tem leve queda ante real após fala de Biden sobre teto da dívida

17/05/2023 17h09

Por Fabricio de Castro

SÃO PAULO (Reuters) -Em uma sessão em que oscilou em margens estreitas ante o real, o dólar à vista fechou em leve baixa nesta quarta-feira, em meio à expectativa por um acordo para ampliação do teto da dívida nos EUA e ao otimismo com a tramitação do novo arcabouço fiscal no Congresso brasileiro.

O dólar à vista fechou o dia cotado a 4,9347 reais na venda, com baixa de 0,15%.

Pela manhã, o dólar chegou a marcar a cotação máxima de 4,9720 (+0,61%) às 9h46, mas não se sustentou.

O diretor da assessoria de câmbio FB Capital, Fernando Bergallo, pontuou que, em patamares mais altos, a moeda atraiu exportadores para os negócios, que aproveitaram as cotações para vender divisas. Ao mesmo tempo, segundo ele, permanecia nas mesas uma percepção positiva em relação à tramitação do novo arcabouço fiscal no Congresso.

“Quando for votado, o arcabouço vai melhorar a percepção de risco do país. E a alta da moeda norte-americana chama vendas por parte de exportadores”, resumiu Bergallo.

Perto do meio-dia no Brasil, o presidente dos EUA, Joe Biden, afirmou, antes de sua viagem ao Japão para encontro do G7, que está confiante em um acordo com os parlamentares republicanos e democratas que evite o default a partir de 1º de junho. Com isso, a moeda norte-americana também perdeu força ante o real.

Biden busca ampliar o teto da dívida norte-americana e as negociações se arrastaram nos últimos dias.

“O sentimento ficou melhor após Biden comentar que tem confiança em um acordo para o teto da dívida, sem default. O dólar começou a perder força no Brasil assim que Biden falou”, disse Cleber Alessie Machado, gerente da mesa de Derivativos Financeiros da Commcor DTVM.

Após renovar algumas máximas no início da tarde, o dólar atingiu o menor valor da sessão às 13h50, quando marcou 4,9231 (-0,38%). Depois, a moeda norte-americana se acomodou em patamar mais próximo da estabilidade.

Chamou a atenção, no entanto, o fato de que as oscilações do dólar durante toda a sessão ocorreram em margens estreitas. Da máxima vista mais cedo para a mínima à tarde, a moeda norte-americana oscilou menos de 1%.

“O mercado está em compasso de espera. Ninguém quer se reposicionar agora, porque ninguém consegue falar exatamente qual é o sentido atual da moeda, se de baixa ou de alta”, comentou Bergallo.

Na B3, às 17:20 (de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento caía 0,15%, a 4,9475 reais.

No exterior, o dólar sustentava sinais mistos ante outras divisas de países exportadores de commodities. A moeda, no entanto, seguia em alta ante uma cesta de divisas.

Às 17:20 (de Brasília), o índice do dólar --que mede o desempenho da moeda norte-americana frente a uma cesta de seis divisas-- subia 0,26%, a 102,870.

Pela manhã, o Banco Central vendeu todos os 16.000 contratos de swap cambial tradicional ofertados na rolagem dos vencimentos de julho.

(Edição de Isabel Versiani)