FMI prevê que taxas de juros permanecerão altas por "algum tempo", diz vice do FMI

Por Andrea Shalal

WASHINGTON (Reuters) - Os mercados emergentes enfrentam um futuro mais volátil e incerto, e devem reconstruir os amortecedores fiscais, aumentar as receitas, diversificar o comércio e se preparar para trilhões de dólares em custos anuais com as mudanças climáticas, disse a segunda autoridade do Fundo Monetário Internacional nesta sexta-feira.

A primeira vice-diretora-gerente do FMI, Gita Gopinath, disse na conferência bienal do banco central da África do Sul que as condições externas se tornaram mais desafiadoras para os mercados emergentes devido ao aumento da fragmentação geopolítica, às condições financeiras difíceis e aos custos crescentes das mudanças climáticas.

"A pandemia e a guerra da Rússia na Ucrânia levantaram preocupações legítimas sobre a segurança da cadeia de suprimentos e a segurança nacional mais ampla", disse ela em comentários preparados para a conferência.

Eventos climáticos extremos relacionados à mudança climática também podem resultar em enormes custos de longo prazo em um momento em que os pagamentos da dívida já estão aumentando drasticamente, com alguns estudos prevendo a necessidade de mitigação de 2 trilhões de dólares por ano até 2030.

Na África do Sul, por exemplo, os pagamentos de juros sobre a dívida pública devem aumentar para cerca de 27% da receita até o ano fiscal de 2028/29, em comparação com cerca de 19% neste ano fiscal.

Gopinath disse que o FMI espera que as taxas de juros globais permaneçam altas por "algum tempo", acrescentando que elas talvez nunca voltem à era de "baixas por muito tempo", dada a possibilidade de choques adversos mais frequentes na oferta.

Ela disse que o FMI também estava acompanhando de perto o aumento "perturbador" da fragmentação do comércio global, alertando que isso pode reduzir o Produto Interno Bruto da maioria dos mercados emergentes, incluindo a África do Sul, que poderia sofrer perdas de cerca de 5% do PIB.

Alguns países poderiam registrar perdas de até 10% do PIB, disse ela.

Continua após a publicidade

A fragmentação do investimento estrangeiro direto aumentaria esses custos e poderia atingir mais fortemente os mercados emergentes, reduzindo o acesso a melhores tecnologias e conhecimento.

Ela disse que a adoção de políticas industriais em larga escala que restringem o comércio - principalmente em economias avançadas - aumentou quase seis vezes somente em 2023. Quase 3.000 restrições comerciais foram impostas em 2022, três vezes mais do que em 2019.

Pode ocorrer um tumulto maior nos mercados emergentes devido aos riscos futuros, incluindo o reequilíbrio estrutural na China, disse ela, ressaltando a necessidade de os países fortalecerem ainda mais as estruturas de política monetária e protegerem o setor financeiro incorporando os riscos financeiros relacionados ao clima.

(Reportagem de Andrea Shalal)

((Tradução Redação São Paulo, 55 11 5047 2984)) REUTERS CMO

Deixe seu comentário

Só para assinantes