Petróleo sobe 2% e atinge máxima de quase 10 meses após Opep prever oferta restrita

Por Scott DiSavino

NOVA YORK (Reuters) - Os preços do petróleo saltaram cerca de 2% para uma máxima de quase 10 meses nesta terça-feira, devido a uma perspectiva de oferta mais restrita e ao otimismo da Opep sobre a resiliência da demanda por energia nas principais economias.

O petróleo Brent subiu 1,42 dólar, ou 1,6%, a 92,06 dólares o barril, enquanto o petróleo nos EUA (WTI) subiu 1,55 dólar, ou 1,8%, a 88,84 dólares.

Ambos os contratos de referência permaneceram tecnicamente sobrecomprados pelo oitavo dia consecutivo e fecharam nos níveis mais altos desde novembro de 2022.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) manteve as suas previsões de um crescimento robusto da procura mundial de petróleo em 2023 e 2024, citando sinais de que as principais economias estão mais fortes do que o esperado. O relatório mensal da Opep prevê que a procura mundial de petróleo aumentará 2,25 milhões de barris por dia (bpd) em 2024.

"Os preços do petróleo estão subindo depois que o relatório mensal da Opep mostrou que o mercado de petróleo estará muito mais apertado do que se pensava inicialmente", disse Edward Moya, analista sênior de mercado da empresa de dados e análises Oanda, em nota.

Mantendo a oferta restrita, a Arábia Saudita e a Rússia prorrogaram na semana passada os cortes voluntários de oferta de um total combinado de 1,3 milhão de bpd até o final do ano. A Opep, a Rússia e os produtores aliados são conhecidos como Opep+.

A Líbia, membro da Opep, fechou quatro dos seus terminais de exportação de petróleo no leste devido a uma tempestade, enquanto o Cazaquistão, membro da Opep+, reduziu a produção diária de petróleo para manutenção.

A Administração de Informação de Energia dos EUA (AIE) projetou que a produção global de petróleo aumentaria de 99,9 milhões de bpd em 2022 para 101,2 milhões de bpd em 2023 e 102,9 milhões de bpd em 2024, enquanto a demanda mundial aumentaria de 99,2 milhões de bpd em 2022 para 101,0 milhões de bpd em 2023 e 102,3 milhões de bpd em 2024.

Continua após a publicidade

Isto compara-se com um recorde de 100,5 milhões de bpd de produção global de petróleo em 2018 e um recorde de 100,8 milhões de bpd de consumo mundial de líquidos em 2019, de acordo com o relatório da AIE.

(Reportagem adicional de Ahmad Ghaddar em Londres e Jeslyn Lerh em Cingapura)

Deixe seu comentário

Só para assinantes