UBS reconquista clientes, mas compra do Credit Suisse faz banco ter prejuízo

Por Noele Illien

ZURIQUE (Reuters) - O UBS Group publicou nesta terça-feira prejuízo trimestral de 785 milhões de dólares, pressionado pelos custos de incorporação do rival Credit Suisse.

O grupo registrou entrada líquida de 22 bilhões de dólares em seu braço de gestão de patrimônio, avançando com conquista de novos clientes, enquanto o Credit Suisse viu o dinheiro fluir para seus negócios pela primeira vez desde o início de 2022, quando começou sua descida a um quase colapso.

Analistas do Goldman Sachs esperavam entrada líquida de 14 bilhões de dólares para o grupo.

"Estamos posicionando o UBS para ser uma instituição financeira global ainda mais forte e segura", disse o presidente-executivo, Sergio Ermotti.

O aumento das entradas de capital, conquistado em parte pela oferta de pagamentos mais generosos sobre os depósitos, atenuou a decepção dos investidores com o prejuízo maior do que o esperado.

Analistas haviam previsto um prejuízo de 444 milhões de dólares para o UBS, de acordo com uma pesquisa do próprio grupo financeiro.

As ações do UBS, que acumulam alta de cerca de 30% até o momento este ano, subiam 3,4% às 8h51 (horário de Brasília).

Excluindo o impacto da aquisição do Credit Suisse, o UBS obteria lucro de 844 milhões de dólares no período.

Continua após a publicidade

"TAREFA GIGANTESCA"

Os analistas elogiaram amplamente os resultados do UBS, mas advertiram que o banco ainda não está fora de perigo.

"O UBS fez progressos claros desde a compra do Credit Suisse - mas continua a enfrentar uma tarefa gigantesca, incluindo a retenção de clientes e de funcionários importantes", disse o analista Andreas Venditti, do Vontobel.

Os analistas da KBW classificaram os resultados como razoáveis à primeira vista, mas "desanimadores quando nos aprofundamos um pouco mais", com a gestão de patrimônio ficando aquém do que eles esperavam.

O UBS está no início do que parece ser uma integração demorada de um banco que se envolveu em escândalos e litígios.

O banco alertou para uma investigação sobre "fraquezas" e "deficiências" nos relatórios financeiros do Credit Suisse em 2021 e 2022, cujo resultado, segundo ele, seria descrito em seu próprio relatório anual.

Continua após a publicidade

O banco também disse que as perspectivas de crescimento econômico, as avaliações de ativos e a volatilidade do mercado continuam difíceis de prever.

O UBS continuou a cortar pessoal, o que foi responsável por uma grande parte dos mais de 2 bilhões de francos suíços (2,22 bilhões de dólares) de custos relacionados à integração.

O UBS informou que empregava 115.981 pessoas no final de setembro, em comparação com os 119.100 que trabalhavam no banco combinado no final de junho.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes