Embaixadora designada do Brasil recebe "agrément" da Venezuela

BRASÍLIA (Reuters) - A embaixadora Glivânia Maria de Oliveira recebeu o "agrément" do governo da Venezuela para se tornar embaixadora do Brasil no país vizinho, informou o Ministério das Relações Exteriores nesta segunda-feira.

A concessão do "agrément" é o rito diplomático que antecede o envio do nome da indicada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao Senado para sabatina e votação. Oliveira é a atual diretora-Geral do Instituto Rio Branco.

A embaixada no Brasil na Venezuela fora fechada em 2020 durante o governo do então presidente Jair Bolsonaro, que rompeu as relações com o governo do presidente venezuelano, Nicolás Maduro, e reconheceu o líder de oposição Juan Guaidó como representante oficial do país.

Logo após tomar posse, em janeiro, Lula retomou os laços com o governo Maduro e reabriu a embaixada, mas a representação ainda não tinha a indicação oficial de seu chefe. O embaixador Flávio Macieira fora enviado para exercer a função de encarregado de negócios, o primeiro diplomata a representar o Brasil na Venezuela desde 2020.

Para que a embaixada esteja formalmente funcionando, é necessário o "agrément" ao nome da indicada, e ela ainda precisa ser chancelada pelo Senado para ser efetivada no posto.

(Reportagem de Lisandra Paraguassu e Maria Carolina Marcello)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes