Após aporte de R$1 bi, QI Tech compra corretora Singulare e quadruplica quadro de funcionários

Por Patricia Vilas Boas

SÃO PAULO (Reuters) - A QI Tech, plataforma especializada na prestação de serviços financeiros para empresas, anunciou nesta terça-feira a aquisição da corretora de valores mobiliários brasileira Singulare, após captar 1 bilhão de reais em rodada série B liderada pela General Atlantic no fim de outubro.

O cofundador e diretor financeiro da QI Tech, Marcelo Bentivoglio, disse à Reuters na ocasião que pretendia usar os recursos do aporte para aquisições estratégicas e, eventualmente, uma oferta pública inicial (IPO) no Brasil ou no exterior.

A startup não divulgou o valor pago pela corretora, que possui cerca de 97 bilhões de reais sob custódia em mais de 900 fundos administrados, além de 300 funcionários, que serão incorporados aos mais de 100 da QI Tech.

A operação marca a terceira aquisição da QI Tech, após a compra da empresa de serviços antifraude Zaig, em 2021, e da startup de desenvolvimento de aplicativos bancários Builder's Bank, em abril deste ano.

A compra da Singulare reforça a operação da QI Tech como distribuidora de títulos e valores mobiliários -- uma licença que detém desde julho deste ano. A companhia também é sociedade de crédito direto, tendo recebido chancela do Banco Central em 2018.

A transação ainda está sujeita à avaliação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e à aprovação do BC.

A Singulare fatura mensalmente cerca de 300 milhões de reais e deve chegar, em 2024, à marca de 360 milhões de reais, disse seu presidente-executivo, Alvaro Vidigal, a jornalistas.

Segundo Pedro Mac Dowell, cofundador e presidente-executivo da QI Tech, a aquisição chega para complementar as operações da companhia na área de DTVM.

Continua após a publicidade

"Acho que (a compra) traz a gente mais próximo do sonho de um IPO também", acrescentou Mac Dowell. As próximas áreas visadas para aquisições, segundo ele, serão de fornecimento de serviços bancários e análise de dados de clientes.

"Acho que tem muita coisa para desenvolver nesse 'baking as a service' ... assim como na parte de 'conheça seu cliente'", disse. "Essas duas verticais são verticais que a gente ainda tem bastante para fazer e olhar, e uma compra estratégica ajudaria a gente a correr para outro patamar."

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes