Venezuela está perto de aprovar licença de gás offshore com Trinidad e Shell

Por Curtis Williams

(Reuters) - A Venezuela está perto de aprovar licença para Shell e a Companhia Nacional de Gás de Trinidad e Tobago desenvolverem um promissor campo offshore de gás natural e exportar a produção para o país caribenho, disseram duas fontes próximas do assunto.

O primeiro-ministro de Trinidad e Tobago, Keith Rowley, confirmou nesta segunda-feira que as partes estavam negociando a licença e acrescentou que o ministro de Energia, Stuart Young, deveria visitar Caracas nesta semana.

A licença poderia dar início a um esforço de longa data de Trinidad para aumentar o processamento de gás e as exportações petroquímicas, proporcionando, ao mesmo tempo, uma fonte extra de dinheiro muito necessária à Venezuela.

Os dois países pretendem acelerar o desenvolvimento energético transfronteiriço desde que os EUA emitiram, em janeiro, uma autorização de dois anos permitindo o desenvolvimento do campo Dragon.

A Venezuela, que detém as maiores reservas de gás da América Latina, e a vizinha Trinidad, o maior exportador de gás natural liquefeito (GNL) da região, complementariam as necessidades mútuas de produção e exportação de gás.

Alguns termos ainda precisam ser acertados, mas se tudo correr bem, um acordo poderá ser assinado nos próximos dias, disseram as pessoas.

A Shell operaria o projeto com uma participação de 70% e a NGC de Trinidad deteria os 30% restantes nos termos propostos, disseram as fontes.

A empresa petrolífera estatal venezuelana PDVSA, que descobriu as reservas da Dragon e pagou pela infra-estrutura existente, não teria participação no projeto, mas a Venezuela receberia dinheiro ou uma parte da produção de gás como royalties.

Continua após a publicidade

(Reportagem de Curtis William em Houston; reportagem adicional de Marianna Parraga)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes