Japão piora visão sobre economia pela 1ª vez em 10 meses

TÓQUIO (Reuters) - O governo do Japão reduziu nesta quarta-feira sua visão sobre a economia para novembro, em seu primeiro rebaixamento em dez meses, já que a demanda fraca pesou sobre os gastos de capital e as despesas do consumidor.

As autoridades também reduziram sua visão sobre as despesas de capital pela primeira vez desde dezembro de 2021, dizendo que o ritmo da recuperação estava "pausando".

A nova avaliação do gabinete veio depois que dados da semana passada mostraram que a economia encolheu no período de julho a setembro pela primeira vez em três trimestres, à medida que a demanda diminui.

"A economia está se recuperando moderadamente, embora algumas áreas tenham mostrado um impasse recentemente", disse o relatório publicado pelo gabinete do governo nesta quarta-feira. Foi a primeira vez que o governo piorou sua opinião sobre a economia em geral desde janeiro.

"Embora as condições de negócios e os lucros das empresas continuem a melhorar, a força do setor corporativo não está necessariamente se traduzindo em salários e investimentos", disse um funcionário do gabinete.

"A demanda doméstica, como o investimento corporativo e os gastos do consumidor, carece de força", disse ele.

Embora o governo tenha mantido sua avaliação de que os gastos do consumidor estavam "se recuperando" em novembro, a inflação comprimiu os gastos com bens de consumo, enquanto os gastos com serviços, como comer fora de casa, mantiveram uma tendência de alta.

Em uma tentativa de amenizar o impacto da inflação sobre a economia, o governo do primeiro-ministro Fumio Kishida elaborou este mês um pacote de medidas que envolverá gastos de mais de 17 trilhões de ienes (113 bilhões de dólares).

O governo espera que a economia continue a se recuperar moderadamente, mas há riscos, como os decorrentes do aperto monetário global e da economia chinesa.

Continua após a publicidade

É preciso prestar muita atenção ao aumento dos preços, à situação no Oriente Médio e às flutuações do mercado financeiro, segundo o relatório.

(Kaori Kaneko)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes