Dólar fica perto da estabilidade em dia de baixa liquidez com feriado nos EUA

Por Fabricio de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - Numa sessão marcada pela baixa liquidez em função de feriado nos Estados Unidos, o dólar à vista fechou esta quinta-feira perto da estabilidade no Brasil, após oscilar em margens estreitas sem que o noticiário do dia pudesse alterar de forma decisiva as cotações.

O dólar à vista fechou o dia cotado a 4,9073 reais na venda, em alta de 0,11%. Em novembro, a moeda acumula baixa de 2,64%.

Na B3, às 17:09 (de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento caía 0,04%, a 4,9110 reais.

Com o mercado norte-americano fechado em função do Dia de Ação de Graças, a liquidez diminuiu nos mercados de moedas ao redor do mundo, incluindo no Brasil.

O dólar à vista chegou a marcar uma cotação mínima de 4,8869 reais (-0,31%) às 9h30 e novamente às 12h18, mas a divisa tinha pouco fôlego para movimentos mais intensos. Nada no noticiário do dia fez preço diretamente, conforme operador ouvido pela Reuters, e as cotações obedeciam a negócios de ocasião.

Durante a tarde, o dólar à vista marcou a máxima de 4,9100 reais (+0,16%). Da mínima para a máxima, a oscilação foi de apenas +0,47% -- uma margem estreita, em claro sinal de que as negociações seguiram travadas.

No exterior, o dólar oscilava em leve baixa ante as divisas fortes e tinha sinais mistos ante as demais moedas, com as cotações também se mantendo perto da estabilidade.

Às 17:09 (de Brasília), o índice do dólar --que mede o desempenho da moeda norte-americana frente a uma cesta de seis divisas-- caía 0,12%, a 103,760.

Continua após a publicidade

Pela manhã, o BC vendeu todos os 16.000 contratos de swap cambial tradicional ofertados na rolagem dos vencimentos de janeiro.

À tarde, o BC informou que o Brasil registrou fluxo cambial total negativo de 3,188 bilhões de dólares em novembro até o dia 17. Pelo canal financeiro, houve saídas líquidas de 2,202 bilhões de dólares no período e, pela via comercial, saídas de 986 milhões de dólares.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes