Fiscal preocupa e há diferenças entre previsões do mercado e metas do governo, diz Campos Neto

BRASÍLIA (Reuters) -O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse nesta quinta-feira que a questão fiscal é a principal fonte de preocupação no país e destacou que há discrepâncias entre as estimativas do mercado para os resultados das contas públicas e as metas projetadas pelo governo.

Em palestra no Encontro Anual Endeavor 2023, Campos Neto ressaltou que ainda assim é importante que o governo acredite no marco fiscal que elaborou.

"A maior preocupação hoje é o fiscal", disse Campos Neto, acrescentando que existe uma diferença entre o que o mercado acredita que vai ser o número fiscal e o que o governo persegue.

Os comentários de Campos Neto surgem em meio a dúvidas no mercado financeiro sobre a capacidade do governo Lula de atingir a meta fiscal estabelecida para 2024, de resultado primário zero.

De acordo com o presidente do BC, a dificuldade é percebida porque atingir a meta exigirá uma "arrecadação grande".

"É importante que o governo acredite no arcabouço que ele construiu", ponderou Campos Neto.

INFLAÇÃO COM QUALIDADE MELHOR

Ao tratar da inflação no Brasil, o presidente do BC afirmou que há hoje um "processo de desinflação relativamente benigno", mas ponderou que o "trabalho não está terminado".

"Os dois últimos números de inflação tiveram uma qualidade melhor, (inclusive) nos núcleos", acrescentou durante o evento.

Continua após a publicidade

Campos Neto disse ainda que a inflação vem caindo em vários lugares do mundo, incluindo no Brasil. No entanto, ele citou alguns desafios no cenário atual, como a pressão fiscal nas economias centrais e o crescimento da dívida pública norte-americana.

"Não temos em vista nenhum tipo de alento fiscal nas grandes economias. Os gastos continuam", afirmou, acrescentando que a dívida dos EUA "sobe enormemente", o que vai "gastar a liquidez do mundo".

O presidente do BC informou ainda que a instituição está trabalhando com a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) no Open Capital Markets.

"É o mesmo conceito do Open Market para Capital Markets", resumiu.

(Por Fabricio de CastroCom reportagem adicional de Victor BorgesEdição de Isabel Versiani)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes