Volkswagen vê marca VW não competitiva e planeja redução de pessoal

BERLIM (Reuters) - O programa de economia de 10 bilhões de euros da Volkswagen incluirá reduções de pessoal, informaram os gerentes aos funcionários da companhia nesta segunda-feira, enquanto o chefe da marca, Thomas Schaefer, alertou que os altos custos e a baixa produtividade estão tornando seus carros não competitivos.

A montadora alemã está em meio a negociações com seu conselho de trabalhadores sobre um esquema de corte de custos na marca VW, o primeiro passo em um esforço de todo o grupo para aumentar a eficiência na transição para carros elétricos.

"Com muitas de nossas estruturas pré-existentes, processos e altos custos, não somos mais competitivos com a marca Volkswagen", disse Schaefer em uma reunião de equipe na sede da montadora em Wolfsburg, de acordo com uma publicação no site interno da empresa vista pela Reuters.

A empresa havia dito anteriormente que planejava tirar proveito da "curva demográfica" para reduzir sua força de trabalho, tendo prometido que não realizaria demissões em massa até 2029.

Na reunião desta segunda-feira, o membro da diretoria de recursos humanos, Gunnar Kilian, disse que isso seria alcançado por meio de acordos de aposentadoria parcial ou antecipada.

Entretanto, a maior parte da meta de economia de 10 bilhões de euros seria alcançada por meio de outras medidas além da redução de pessoal, acrescentou Kilian, com todos os detalhes a serem definidos até o final do ano.

"Precisamos ser corajosos e honestos o suficiente para jogar fora coisas que estão sendo duplicadas dentro da empresa ou que são simplesmente um lastro de que não precisamos para obtermos bons resultados", disse Kilian.

(Por Victoria Waldersee)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora