Diretora-geral do FMI exige fim do "business as usual" antes da COP28

Por Simon Jessop e Karin Strohecker

LONDRES (Reuters) - A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI) pediu o fim da abordagem "business as usual" (seguir tudo como o habitual) antes do início das negociações climáticas da COP28 e alertou que esse caminho "não é viável" se o mundo quiser controlar o aquecimento global.

Em entrevista à Reuters, às vésperas do início do evento anual da ONU, que será realizado em Dubai a partir de quinta-feira, Kristalina Georgieva disse que as emissões de carbono prejudiciais ao clima precisam cair entre 25% e 50% até 2030, mas que as promessas feitas até agora só levariam a um corte de "míseros" 11%.

"O mais importante na COP28 é deixar claro que o caminho que estamos seguindo não é viável e definir um nível de ambição que possa preservar a chance de o mundo viver com temperaturas que não excedam 1,5 a 2 graus Celsius", afirmou ela.

"Portanto, essa é, em minha opinião, a prioridade número um desta COP: reconhecer que é preciso abandonar o 'business as usual'."

DINHEIRO PARA PAÍSES VULNERÁVEIS

Um dos principais temas das negociações será o que mais os governos podem fazer para reformular o sistema financeiro multilateral do mundo para garantir que mais dinheiro seja disponibilizado para os países vulneráveis que já estão sentindo os impactos de eventos climáticos mais extremos.

Um dos principais esforços até agora tem sido incentivar os países a permitir que alguns de seus Direitos Especiais de Saque, reservas cambiais de emergência que raramente são usadas, sejam emprestados a bancos de desenvolvimento para ajudar a reforçar o financiamento climático nos mercados em desenvolvimento.

Em agosto, o FMI disse que 29 membros haviam concordado com isso até o momento, ajudando a fornecer 55 bilhões de dólares para repasse por meio de seu Fundo para Redução da Pobreza e Crescimento e 41 bilhões de dólares por meio de seu Fundo para Resiliência e Sustentabilidade.

Continua após a publicidade

Além disso, Georgieva disse que o Banco Africano de Desenvolvimento e o Banco Interamericano de Desenvolvimento propuseram usar os Direitos Especiais de Saque emprestados a eles como capital híbrido que poderia ser aproveitado para expandir sua capacidade de empréstimo.

CARBONO E DÍVIDA

Defensora de longa data dos esforços para melhorar a precificação das emissões de carbono, Georgieva disse que a "boa notícia" é que mais países estão procurando fazer isso, com o número de jurisdições que adotam esses esquemas agora em mais de 70.

"Trata-se de criar o incentivo para a rápida descarbonização", disse ela, acrescentando que o Fundo havia recentemente aumentado sua previsão do preço médio necessário para fazer isso para 85 dólares por tonelada até 2030, em comparação com a previsão anterior de 75 dólares por tonelada.

Com o preço médio atual atualmente em torno de 5 dólares por tonelada, "é claro que há um longo, longo, longo caminho a percorrer", disse. Ela citou uma preferência por impostos sobre o carbono, mas se mostrou aberta a sistemas de comercialização, como visto na Europa, ou padrões e descontos ao estilo dos Estados Unidos.

Em uma alusão ao que provavelmente será um dos principais temas da COP28, Georgieva disse que é importante que qualquer que seja o método utilizado ele deve incluir o metano mais potente e que os países ricos paguem mais, os países mais pobres, menos e os frágeis, nada.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes