Defesa Civil de Maceió aponta "risco iminente" de colapso em antiga mina da Braskem

SÃO PAULO (Reuters) - A Defesa Civil de Maceió disse nesta quarta-feira que há "um risco iminente de colapso" de uma antiga mina de sal-gema da petroquímica Braskem, em uma área já desocupada.

O órgão afirmou, em nota, que o quadro no local se agravou após sismos se intensificarem.

"Estudos mostram que há risco iminente de colapso em uma das minas monitoradas", disse a Defesa Civil, recomendando que embarcações e a população evitem transitar na região. O local, no bairro do Mutange, é próximo de uma lagoa.

A Braskem afirmou, em nota, que "em decorrência do registro de microssismos e movimentações de solo atípicas pelo sistema de monitoramento, paralisou suas atividades na área de resguardo". A área de resguardo é uma zona de segurança em torno de poços com problemas de estabilidade na região.

A Braskem disse ainda que a área "foi isolada preventivamente e em cumprimento às ações definidas nos protocolos da companhia e da Defesa Civil."

A exploração de sal-gema pela Braskem em Maceió, encerrada em 2019, levou a um afundamento de solo que obrigou a interdição de uma série de bairros da capital alagoana, gerando acordos bilionários de indenização e compensação.

O prefeito de Maceió, João Henrique Caldas (PL), criou um gabinete de crise nesta quarta-feira com diversas secretarias municipais para acompanhar a situação na mina 18 da Braskem, informou a prefeitura em comunicado.

Esse gabinete já enviou ofício informando a situação a órgãos de controle e segurança, incluindo os ministérios públicos estadual e federal, a defensoria pública alagoana, a polícia militar e o corpo de bombeiros do Estado, de acordo com o comunicado.

A Defesa Civil já havia dito, na véspera, que intensificara o monitoramento do local.

Continua após a publicidade

(Por André Romani; )

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes