Empregados batem recorde no Brasil e taxa de desemprego cai a 7,6% no tri até outubro

Por Camila Moreira e Rodrigo Viga Gaier

SÃO PAULO/RIO DE JANEIRO (Reuters) -O número de trabalhadores ocupados no Brasil atingu um recorde de mais de 100 milhões no trimestre até outubro, levando a taxa de desemprego a cair a 7,6% e bater o menor nível desde o início de 2015, com aumento da renda.

Em um mercado de trabalho que segue resiliente no país, o resultado mostrou queda frente aos três meses imediatamente anteriores, até julho, quando a taxa havia ficado em 7,9%, de acordo com os dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A leitura da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) nesta quinta-feira também mostrou recuo ante os 8,3% vistos no mesmo período do ano anterior, marcando a menor taxa de desocupação desde o trimestre encerrado em fevereiro de 2015, quando ficou em 7,5%.

O resultado ainda ficou um pouco abaixo da expectativa em pesquisa da Reuters de uma taxa de 7,7%.

"Temos um aumento não só quantitativo no mercado de trabalho, mas também qualitativo, puxado pela formalidade e ampliação da renda", destacou a coordenadora de Pesquisas por Amostra de Domicílios do IBGE, Adriana Beringuy.

"O momento do mercado é de crescimento sustentado de aumento de trabalhadores, é algo sólido. Estamos diante de um cenário de recuperação da economia, e isso aparece no mercado de trabalho inevitavelmente", completou.

Depois de um primeiro semestre de atividade econômica melhor do que o esperado, o mercado de trabalho brasileiro mostrou-se aquecido e a taxa de desemprego permanece em patamares baixos. Embora ela ainda possa registrar alta diante da esperada desaceleração da atividade econômica e dos efeitos defasados da política monetária restritiva, não é esperado um salto significativo.

"Olhando à frente, entendemos que os efeitos defasados da política monetária contribuirão para uma desaceleração da atividade econômica e um consequente aumento da taxa de desemprego, que ainda resistirá em patamares historicamente baixos por mais um bom tempo", avaliou o PicPay em nota.

Continua após a publicidade

No trimestre até outubro, o total de ocupados no país chegou a 100,206 milhões, o maior contingente desde o início da série histórica, no primeiro trimestre de 2012. Houve aumento de 0,9% na comparação com os três meses até julho e de 0,5% sobre o mesmo período do ano anterior.

Já o número de desempregados caiu 3,1% sobre o trimestre imediatamente anterior, a 8,259 milhões de pessoas, marcando ainda uma queda de 8,5% na base anual.

Os trabalhadores com carteira assinada no setor privado aumentaram 1,7% nos três meses até outubro sobre o período anterior, indo a 37,615 milhões, maior número desde o trimestre encerrado em junho de 2014. Os que não tinham carteira cresceram 0,7%.

Entre as atividades pesquisadas, o destaque foi o aumento de 3,2% no número de pessoas empregadas em Transporte, armazenagem e correio.

“As atividades, de modo geral, retiveram trabalhadores. Parte do aumento da carteira assinada recorde vem dessa segmento (transporte, armazenagem e correio), que tem bom cobertura de formalidade. Então ajuda na abertura de vagas e na formalização", disse Beringuy.

No período, ainda houve aumento da renda média real habitual, que chegou a 2.999 reais no trimestre até outubro, em comparação com 2.950 reais nos três meses até julho e 2.888 reais no mesmo período de 2022.

Continua após a publicidade

Segundo Beringuy, isso deriva da expansão dos ocupados com carteira assinada, que normalmente têm rendimentos maiores. “Ou seja, a leitura que podemos fazer é que há um ganho quantitativo, com um aumento da população ocupada, e qualitativo, com o aumento do rendimento médio", disse ela.

Esse ganho, no entanto, chama a atenção de analistas no que concerne a inflação.

"O aumento do rendimento sem elevação da produtividade é um fator de preocupação, pois significa maior pressão na inflação de serviços", alertou Claudia Moreno, economista do C6 Bank.

(Edição de Luana Maria Benedito)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes