UBS BB tem visão otimista sobre dividendo da Petrobras, mas cita cenário quase binário

(Reuters) - Analistas do UBS BB afirmaram que estão entre aqueles com visão otimista sobre os dividendos da Petrobras, embora tenham ponderado sobre uma situação quase binária para a tese de investimento na petroleira no curto prazo relacionada à distribuição de proventos da empresa de controle estatal.

"A 'bullish' -- onde estamos -- é que a empresa anunciará dividendos extraordinários, prevendo dividendos para o quarto trimestre de 2023 em 6,5 bilhões de dólares -- yield de 6,3% -- e em 2024 com yield de 17%", afirmam Luiz Carvalho e equipe em relatório enviado na véspera.

Eles argumentam que tal opinião se baseia na expectativa de que o governo exigirá dividendos da Petrobras para ajudar o desempenho fiscal do país, o que por sua vez é respaldado em parte em estimativas no Orçamento de 2024 em relação aos dividendos das empresas públicas.

O 'bear case' (visão baixista), de acordo com os analistas, é um em que a Petrobras distribua dividendos apenas com base em sua política de 45% do fluxo de caixa livre (FCF), o que implica rendimento de dividendo de 13,1% para 2024 -- e de 3,2% para o quarto trimestre de 2023.

Carvalho e equipe citam que o orçamento do governo para 2024 inclui 41,4 bilhões de reais em expectativas de dividendos das empresas públicas, acrescentando que existem duas maneiras de ver quanto está implícito da Petrobras.

Uma delas, escreveram, é assumindo que a contribuição da empresa representa níveis semelhantes aos dos últimos anos, de cerca de 80%, levando em conta também as participações do BNDES na Petrobras. "Isso dá nosso cenário base de yield de cerca 17% em 2024 e de 6,3% no quarto trimestre de 2023."

Outra forma, segundo os analistas, é ver quanto resta para a parcela da Petrobras com base nas expectativas de quanto os bancos públicos irão contribuir.

Eles avaliam que se a empresa anunciar um yield de 6% com os lucros do quatro trimestre seria uma surpresa muito positiva versus o consenso, mas implicaria que os yields dos três primeiros trimestres de 2024 seriam de aproximadamente 2% a 3% ao trimestre.

Tal cenário, ponderam, levanta preocupações sobre uma potencial liquidação após o prazo em que acionistas são elegíveis para receber os dividendos.

Continua após a publicidade

O UBS BB tem recomendação de "compra" para as ações da Petrobras, com preço-alvo de 43 reais para os papéis preferenciais.

(Por Paula Arend Laier)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes