Inflação da zona do euro salta em dezembro e esfria argumentos a favor de cortes nos juros pelo BCE

FRANKFURT (Reuters) - A inflação anual da zona do euro acelerou no mês passado e ainda pode avançar no início de 2024, aliviando a pressão dos mercados financeiros sobre o Banco Central Europeu para que comece a reduzir as taxas de juros.

A inflação em todo o bloco de 20 países saltou de 2,4% em novembro para 2,9% em dezembro, um pouco abaixo da expectativa de uma leitura de 3,0%, principalmente devido a fatores técnicos, como o fim de alguns subsídios do governo e a saída do cálculo dos preços baixos de energia.

Os dados parecem confirmar a previsão do BCE de que a inflação atingiu seu ponto mais baixo em novembro e agora se estabilizará na faixa de 2,5% a 3% durante 2024, bem acima da meta de 2% do banco, antes de desacelerar novamente em 2025.

No entanto, em um sinal de esperança, o núcleo da inflação, que excluindo alimentos e energia, diminuiu de 3,6% para 3,4%, sugerindo que as pressões sobre os preços ainda estão arrefecendo, mesmo com o aumento do número principal.

Ainda assim, as autoridades de política monetária podem estar preocupadas com o fato de a inflação de serviços ter aumentado 0,7% no mês e de a leitura anual ter se mantido em 4,0%, uma vez que está intimamente ligada aos salários e pode estar apontando para um rápido aumento da renda, o que poderia alimentar as pressões sobre os preços.

O salto na inflação ocorre no momento em que os investidores e as autoridades de política monetária parecem estar tirando conclusões muito diferentes sobre as tendências de preços e suas implicações para as taxas de juros.

Os investidores estão apostando que o BCE reduzirá os juros seis vezes este ano, sendo que o primeiro movimento ocorrerá em março ou abril, uma vez que a contração econômica e o crescimento benigno dos salários reduzirão a inflação, permitindo que o banco encerre seu ciclo de aperto da política monetária mais rápido já registrado.

No entanto, as autoridades de política monetária argumentam que as pressões sobre os preços continuam fortes e que os acordos salariais não serão concluídos até o primeiro trimestre deste ano, portanto, talvez seja necessário esperar até meados de 2024 para ganhar a confiança de que a inflação está realmente sob controle.

A próxima reunião do BCE será em 25 de janeiro e o banco sinalizou claramente que não haverá nenhuma ação.

Continua após a publicidade

(Reportagem de Balazs Koranyi)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes