Governo envia ao Congresso projeto para alterar Lei de Falências

BRASÍLIA (Reuters) - O governo enviou ao Congresso Nacional um projeto com mudanças na Lei de Falências, informou o Ministério da Fazenda nesta quarta-feira, alegando que a medida visa acelerar processos e dar mais poder aos credores.

De acordo com a pasta, uma das principais inovações do projeto é a permissão de que os próprios credores, em acordo, escolham um gestor para administrar a massa falida, como uma alternativa à designação de um administrador judicial pelo juiz do caso, como é hoje. Esse administrador fará a gestão da falência e venderá os bens para pagar os credores.

Outra mudança é a criação de um plano de falência, que poderá propor diferentes formas de venda de ativos, com os bens individuais ou em bloco.

“Para acelerar o processo de falência, a proposta dispensa a aprovação judicial para a venda de ativos e pagamentos dos passivos após aprovação do plano de falência pela assembleia geral dos credores e homologação pelo juiz”, informou a pasta.

O projeto também propõe que seja permitida a dispensa da avaliação de bens, se for de interesse dos credores, para que possam ir diretamente a leilão. Atualmente, o processo de avaliação dura em média cinco anos, de acordo com a Fazenda.

Outra alteração é relacionada ao pagamento aos credores, depois da venda dos ativos.

“Atualmente, as disputas sobre prioridades de pagamento costumam impedir o pagamento de toda a fila de credores", disse. "O projeto sugere a permissão do pagamento para quem não há dúvidas sobre a prioridade, como trabalhadores (por lei), e estabelece regras para aprovação de um plano que não obteve a concordância de todas as classes de credores”.

(Por Bernardo Caram)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes