Ibovespa opera volátil com mercado digerindo dados de inflação dos EUA

Por Patricia Vilas Boas

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa mostrava volatilidade nesta quinta-feira, após dados amplamente aguardados de inflação dos Estados Unidos registrarem alta levemente acima das expectativas do mercado, o que pode adiar um corte na taxa de juros pelo Federal Reserve.

Às 11:21, o Ibovespa subia 0,27 %, a 131.198,42 pontos. O volume financeiro somava 3,6 bilhões de reais.

O índice da bolsa paulista teve pouca oscilação na abertura até a divulgação, às 10h30 (horário de Brasília), dos relatórios inflacionários norte-americanos, quando passou para terreno negativo e chegou a tocar mínima intradia, a 130.289,39 pontos.

"A leitura é que os dados de inflação lá fora vieram acima, elevando as preocupações dos investidores quanto ao início do corte de juros pelo Fed", afirmou o analista-chefe da Levante Corp, Eduardo Rahal.

O índice de preços ao consumidor norte-americano subiu 0,3% em dezembro, após avanço de 0,1% em novembro, com o custo de moradia responsável por mais da metade do aumento do índice.

Em Nova York, os índices acionários abriram em alta, enquanto o rendimento do título de 10 anos dos EUA subia 1,50 ponto-base, a 4,2298%.

No cenário doméstico, a atenção recaiu sobre o IPCA de dezembro, que avançou 0,56% ante novembro, acumulando em 12 meses elevação de 4,62%. Analistas estimavam aumento de 0,48% no mês e de 4,54% em 12 meses. Apesar da alta maior que o esperado, o indicador encerrou 2023 abaixo do teto da meta.

Segundo o economista-chefe da Ativa Investimentos, Étore Sanchez, ainda é prematuro afirmar que o processo de desinflação no Brasil está começando a apontar uma mudança de ritmo, "mas é inegável que hoje tivemos um primeiro ponto nesse sentido".

Continua após a publicidade

Na visão de Rahal, da Levante, mesmo com a aceleração do IPCA e do risco de uma eventual aceleração dos núcleos e serviços, a interpretação é de que o processo desinflacionário continua em andamento.

DESTAQUES

- VALE ON subia 0,55%, a 72,63 reais, seguindo a recuperação dos futuros do minério de ferro na China, onde o contrato mais negociado na Bolsa de Mercadorias de Dalian (DCE) da China encerrou as negociações diurnas estável em 976,5 iuanes (136,42 dólares) a tonelada, depois de atingir uma mínima de três semanas em 952,5 iuanes no início da sessão.

- PETROBRAS PN avançava 0,61%, a 37,98 reais, após queda na véspera, em dia de alta nos preços do petróleo no exterior, onde o barril de Brent oscilava positivamente 1,82%, a 78,2 dólares. No setor, PRIO ON ganhava 2,34%, a 45,39 reais. - ITAÚ UNIBANCO PN ganhava 0,60%, a 33,49 reais, enquantoBRADESCO PN subia 0,25%, a 16,06 reais. Ainda no setor bancário, BANCO DO BRASIL ON ganhava 0,33%, a 54,61 reais.

- MAGAZINE LUIZA ON subia 3,67%, a 2,26 reais e ASSAÍ ON avançava 3,46%, a 14,05 reais, ambas empresas entre as maiores altas percentuais do Ibovespa.

- GPA ON perdia 0,53%, a 3,75 reais. No radar está a assembleia geral extraordinária do grupo varejista nesta quinta-feira para decidir sobre aumento do limite de capital visando uma potencial oferta de ações, bem como mudança no conselho de administração.

Continua após a publicidade

- CCR ON recuava 0,87%, a 13,70 reais. A empresa informou na véspera que registrou em dezembro crescimento de 6,4% no tráfego de veículos pelas rodovias que administra na comparação com o mesmo mês de 2022 e expansão de 4,7% no acumulado de 2023.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes