Europa tem dificuldade para concluir projetos de energia, diz CEO da EDP

DAVOS, SUÍÇA (Reuters) - A Europa sofre com falta de execução em campo de projetos subsidiados de energia, o que deixa muitos deles longe de serem concluídos, disse à Reuters em Davos o CEO da Energias de Portugal (EDP), maior empresa de utilities portuguesa.

A Comissão Europeia teve uma "grande visão" ao elaborar projetos em um nível mais elevado, disse o CEO Miguel Stilwell d'Andrade, falando à margem do Fórum Econômico Mundial. "A questão crucial é a transposição por parte dos governos nacionais."

D'Andrade se concentrou no hidrogênio verde, combustível que Portugal quer se tornar um grande produtor e exportador, à medida que os países recorrem a fontes de energia mais limpas para combater as emissões de carbono e melhorar a segurança energética.

"Nos EUA, se você produzir 1 quilo de hidrogênio verde, receberá 3 dólares. Na Europa, preciso apresentar uma sala cheia de papéis", disse ele, acrescentando que, quando a papelada da UE for processada, "o mundo já mudou".

A UE quer produzir 10 milhões de toneladas de hidrogênio verde, fabricado com energia renovável, e importar outros 10 milhões até 2030. Sua produção atual por eletrólise é inferior a 300.000 toneladas.

A EDP iniciou um projeto piloto de hidrogênio no Brasil e, em parceria com a empresa portuguesa de petróleo e gás Galp Energia, planeja lançar uma usina de hidrogênio em Sines, ao sul de Lisboa.

Mas mais de 90% de seu investimento entre 2022-2026 será em energia eólica e solar em terra, com o objetivo de quase dobrar sua capacidade para 33 gigawatts (GW).

O CEO afirmou anteriormente que as metas da UE para o hidrogênio verde - produzir 10 milhões de toneladas até 2030 e importar outros 10 milhões - são "infladas e irreais", citando o lento progresso na expansão da capacidade até o momento.

(Reportagem de Victoria Waldersee, Sergio Goncalves)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes