Ibovespa opera perto da estabilidade pressionado por Vale apesar de exterior favorável

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa abria a semana sem uma direção definida nesta segunda-feira, apesar da cena externa favorável, com alta dos futuros acionários norte-americanos e recuo nos rendimentos dos títulos do Tesouro dos Estados Unidos, em desempenho pressionado principalmente pela queda de Vale, Totvs e Lojas Renner.

Às 10h52, o Ibovespa operava estável, a 127.633,26 pontos. Na mínima, chegou a 127.161,92 pontos. Na máxima, alcançou 127.829,01 pontos. O volume financeiro somava 1,75 bilhão de reais.

No exterior, os futuros sinalizavam uma abertura positiva dos pregões em Wall Street, conforme as ações também começam a se voltar para a temporada de balanços de empresas dos EUA, enquanto o rendimento do Treasury de 10 anos marcava 4,0823%, de 4,146% na última sexta-feira.

Na visão da equipe de grafistas da Ágora Investimentos, após o movimento da semana passada, "o Ibovespa indicou a formação de um candle martelo em região de suporte, o que sugere formação de fundo no curto prazo e reação esperada para os próximos dias, porém ainda em contexto de correção".

Na última semana, o Ibovespa acumulou uma queda de 2,56%, elevando a perda no mês para 4,86%.

DESTAQUES

- VALE ON caía 0,50%, a 67,76 reais, em dia de desempenho misto dos futuros do minério de ferro na Ásia, conforme agentes financeiros continuam monitorando noticiário sobre planos do governo para colocar o ex-ministro Guido Mantega na mineradora.

- ITAÚ UNIBANCO PN ganhava 0,43%, a 33,08 reais, enquanto BRADESCO PN subia 0,38%, a 15,70 reais, oferecendo um contrapeso positivo.

Continua após a publicidade

- TOTVS ON cedia 2,21%, a 31,02 reais, com analistas do UBS BB reiterando recomendação "neutra" para as ações e reduzindo o preço-alvo de 36 para 35,50 reais. Eles avaliam que do quarto trimestre deve vir abaixo das expectativas no mercado, enquanto 2024 também deve começar mais fraco, mas melhorando no caminho.

- BRF ON avançava 4,77%, a 13,62 reais, no segundo dia de recuperação, após tocar na quinta-feia uma mínima intradia desde meados de novembro, o que fez com o que a queda acumulada no mês até aquele momento chegasse a quase 12%.

- LOJAS RENNER ON perdia 2,27%, a 16,34 reais, tendo de pano de fundo relatório do Citi revisando previsões e cortando a recomendação das ações para "neutra", uma vez que os analistas do banco veem 2024 como mais um ano desafiador.

- CIELO ON valorizava-se 3,79%, a 4,65 reais, em mais um dia de trégua após cinco baixas seguidas até a última quinta-feira, quando bateu uma mínima intradia desde meados de dezembro. O Goldman Sachs manteve a recomendação "neutra" para os papéis, mas elevou o preço-alvo de 3,80 para 4,50 reais.

- PETROBRAS PN tinha variação positiva de 0,03%, a 37,54 reais, em dia de alta modesta dos preços do petróleo no exterior, onde o Brent avançava 0,2%.

- AZUL PN subia 2,06%, a 13,38 reais, com relatório de analistas do JPMorgan citando aceleração nas tarifas para voos de turismo e corporativos no quarto trimestre no segmento, enquanto reiteraram a companhia como sua ação preferida no setor no Brasil, mantendo a recomendação "overweight".

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes