BCE mantém taxas de juros inalteradas e sem qualquer indício de cortes

Por Balazs Koranyi e Francesco Canepa

FRANKFURT (Reuters) - O Banco Central Europeu (BCE) manteve as taxas de juros inalteradas no patamar recorde de 4%, conforme esperado, nesta quinta-feira, e reafirmou seu compromisso com o combate à inflação, não dando qualquer indício de que seus membros estejam sequer contemplando a flexibilização da política monetária.

O BCE encerrou seu ciclo mais rápido de aumento de taxas em setembro, mas tem sido inflexível ao afirmar que discutir uma reversão seria prematuro, uma vez que as pressões sobre os preços não foram totalmente extintas e muitas negociações salariais ainda não foram concluídas.

Os investidores, no entanto, estão apostando que o BCE está errando tanto em relação ao crescimento quanto à inflação e será forçado a fazer uma reviravolta, realizando cinco cortes nas taxas em rápida sucessão a partir do início da primavera europeia.

Porém, o BCE não sinalizou tal mudança nesta quinta-feira e fez apenas alterações sutis em seu comunicado, repetindo sua orientação de longa data de que manter as taxas de juros no nível atual por tempo suficiente trará a inflação de volta à meta.

"O consenso em torno da mesa foi de que era prematuro discutir cortes nas taxas", disse a presidente do BCE, Christine Lagarde, em entrevista coletiva de rotina após o anúncio da decisão, reiterando que as decisões futuras dependeriam dos dados recebidos.

"Precisamos avançar mais no processo de desinflação para ter certeza de que a inflação estará na meta -- de forma sustentável", acrescentou.

O banco disse em seu comunicado por escrito que as tendências de inflação confirmaram "amplamente" sua avaliação anterior, mas removeu uma referência que estava em comunicados anteriores a pressões elevadas sobre os preços domésticos e ao forte crescimento dos custos de mão de obra.

Lagarde disse que os riscos de crescimento estavam inclinados para o lado negativo e incluíam o efeito restritivo da política monetária, guerras na Ucrânia e no Oriente Médio e uma desaceleração econômica global.

Continua após a publicidade

As interrupções no comércio causadas pelos ataques do grupo houthi, do Iêmen, contra a navegação no Mar Vermelho poderiam aumentar a inflação, elevando os custos de energia e frete, alertou.

"Estamos observando isso com muito cuidado", disse Lagarde.

Ela se recusou a comentar sobre as especulações de que um primeiro corte na taxa de juros poderia ocorrer na reunião de junho do BCE.

Recentemente, Lagarde e o economista-chefe do BCE, Philip Lane, apontaram os acordos salariais do primeiro trimestre, cujos números ficam disponíveis em maio, como um indicador relevante, o que alguns viram como uma pista para o momento de uma mudança.

Ela apontou sinais de que a demanda por mão de obra estava diminuindo e evidências de que a moderação do crescimento dos salários era "direcionalmente boa do nosso ponto de vista".

O recuo do BCE em relação aos cortes antecipados das taxas teve algum impacto nos mercados, mas os investidores ainda veem 125 pontos-base de reduções este ano, ou cinco movimentos, com o primeiro em abril ou junho.

Continua após a publicidade

RECESSÃO

A grande discrepância nas expectativas decorre, em grande parte, de uma perspectiva diferente sobre o crescimento e o quanto os aumentos anteriores das taxas estão desacelerando a atividade econômica nos 20 países que usam o euro como moeda.

O BCE espera que os gastos das famílias e do governo impulsionem a recuperação, mas os dados parecem estar pintando um quadro mais sombrio, com o setor industrial permanecendo em recessão e o setor de serviços esfriando. No início da quinta-feira, a pesquisa Ifo da Alemanha, acompanhada de perto, apontou uma piora no sentimento empresarial.

A zona do euro provavelmente esteve em recessão no último trimestre e teve um início lento em janeiro, fazendo com que o trimestre atual fosse o sexto consecutivo com crescimento praticamente estável ou negativo. Enquanto isso, a recuperação prevista há muito tempo continua sendo adiada.

Uma economia fraca, juntamente com preços de commodities controlados e altas taxas de juros, continuará sufocando a inflação, que ficou em 2,9% em dezembro e que, atualmente, o BCE não espera que volte à sua meta de 2% até 2025.

Muitos discordam dessa projeção.

Continua após a publicidade

"Continuamos a esperar que as taxas de inflação básica e do núcleo do IHPC caiam para 2% já antes de meados deste ano, um ano ou mais antes do que as previsões do BCE", disseram os economistas do Deutsche Bank.

Uma inflação mais baixa significaria o aumento das taxas de juros reais, o que efetivamente tornaria a política mais restritiva em um ambiente de recessão.

"Isso aumentaria o risco de uma recessão total e um choque genuíno no mercado de trabalho", acrescentou o Deutsche Bank.

Alguns acham que a insistência do BCE de que são necessárias ainda mais evidências de desinflação para que ele aja aumenta a chance de um erro de política.

"Tendo negligenciado o impacto negativo do aperto monetário sobre o crescimento até agora, o BCE continua tendendo a cortar muito pouco e muito tarde", disse Davide Oneglia, do TS Lombard.

"O BCE tem menos motivos para se preocupar com a inflação e menos desculpas para manter a política monetária restritiva do que as autoridades pensam, mas hábitos de aperto excessivo são difíceis de serem perdidos."

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes