Gigante militar, Lockheed Martin cortará 1% de seus empregos em tentativa de reduzir custos

Por Utkarsh Shetti e Mike Stone

(Reuters) - A Lockheed Martin cortará 1% de seus empregos ao longo do ano em uma tentativa de diminuir custos e agilizar operações, disse um porta-voz da empresa na sexta-feira.

As reduções afetarão posições em todos os seus negócios e operações empresariais, disse o porta-voz em comunicado à Reuters, acrescentando que as ações de corte de custos vão incluir o congelamento de contratações e demissões voluntárias.

A empresa de defesa com sede em Maryland emprega 122 mil pessoas em todo o mundo, de acordo com seu site. As reduções de custos ajudarão a empresa a transformar digitalmente suas operações.

A Lockheed previu na terça-feira seu lucro em 2024 abaixo das expectativas de Wall Street, citando interrupções na cadeia de suprimentos em seu maior segmento aeronáutico, que fabrica jatos F-35.

As empresas de defesa dos EUA estão registrando um aumento notável nas encomendas num contexto de crescentes tensões entre a China e as Filipinas e os conflitos em curso entre Rússia e Ucrânia e no Oriente Médio.

No entanto, as perturbações relacionadas com a pandemia de Covid-19 nas cadeias de trabalho e de abastecimento ainda estão pesando sobre o setor.

Os cortes ocorrem no momento em que empresas de diversos setores estão implementando demissões para reduzir custos, com companhias de tecnologia no topo da lista.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora