Atrasos no alívio da dívida podem significar inadimplência "desordenada", diz autoridade do FMI

Por Rachel Savage e Kopano Gumbi

JOHANNESBURGO (Reuters) - O processo de reestruturação da dívida dos países de baixa renda precisa ser acelerado, caso contrário poderá haver uma série de inadimplências "desordenadas" da dívida soberana, disse um funcionário do Fundo Monetário Internacional (FMI) nesta terça-feira.

É necessário um entendimento mais claro do que significa tratar os credores de forma igualitária nos processos de reestruturação da Estrutura Comum do G20, disse Daniel Leigh, que lidera a preparação do Relatório Econômico Mundial do FMI, à Reuters em Johanesburgo.

A Estrutura Comum, que foi criada em 2020 pelas principais economias do G20 em resposta à pandemia da Covid-19, foi criticada por longos atrasos e divergências.

A Zâmbia está em seu quarto ano de inadimplência e Etiópia solicitou o alívio da dívida no início de 2021 e entrou em inadimplência em dezembro de 2023 sem ele, enquanto Gana também está reestruturando suas dívidas por meio do processo.

"Vimos com... a estrutura comum do G20 um progresso mais rápido, mas na verdade gostaríamos que fosse mais rápido porque, caso contrário, haverá uma disseminação de inadimplências, desordenadas", disse Leigh em uma entrevista.

O FMI elevou sua previsão de crescimento global para 2024 em 0,2 ponto percentual, para 3,1%, e disse que um "pouso suave" para a economia mundial estava à vista, conforme a inflação começa a diminuir em todo o mundo.

As condições de financiamento estão melhorando, mas o financiamento ainda deve continuar caro para muitas economias emergentes, disse Leigh.

"Até que a inflação seja realmente debelada, o que, na verdade, esperamos que aconteça em 2025, ainda teremos altos custos de empréstimos", disse ele.

Continua após a publicidade

Espera-se que o crescimento da África Subsaariana acelere este ano para 3,8%, de 3,3% em 2023. No entanto, a previsão para 2024 é 0,2 ponto percentual menor do que as previsões anteriores, arrastada por um crescimento mais fraco na África do Sul, devido às contínuas restrições elétricas e portuárias, ferroviárias e logísticas.

A previsão de crescimento do PIB do Egito em 2024 foi reduzida em 0,6 ponto percentual, para 3%, o que representaria uma queda em relação aos 3,8% do ano passado, segundo o relatório.

O rebaixamento foi devido ao impacto da guerra entre Israel e Gaza sobre "o turismo e os ganhos do Canal de Suez... (e) a persistência da escassez de moeda estrangeira e a necessidade de realmente controlar a inflação e aumentar as taxas de juros", disse Leigh.

As negociações em andamento do FMI com o Egito podem levar à conclusão da primeira e da segunda revisões de seu programa de 3 bilhões de dólares "nas próximas semanas", disse ele.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes