Modelo de IA do BCE mostra inflação caindo mais rápido que o esperado

FRANKFURT (Reuters) - O modelo de inteligência artificial (IA) do Banco Central Europeu (BCE) mostra que a inflação na zona do euro pode cair mais rapidamente do que o esperado pela própria instituição, mas com muita incerteza, disse o economista-chefe do banco, Philip Lane, nesta quinta-feira.

Foi a primeira vez que o BCE falou sobre as previsões geradas por seu recém-criado modelo de aprendizado de máquina, que utiliza cerca de 60 variáveis para captar mudanças que os algoritmos tradicionais não conseguem detectar.

Uma apresentação que acompanhou a palestra de Lane mostrou que as previsões de IA do BCE colocam a inflação até junho muito abaixo do previsto pelas projeções macroeconômicas oficiais do banco central -- e mais perto de sua meta de 2% -- embora dentro de uma faixa muito ampla de resultados possíveis.

"O centro da distribuição está abaixo das projeções de dezembro", disse Lane em um evento em Roma.

O BCE prevê uma inflação de 2,7% no segundo trimestre do ano, mais alta do que os 2,3% esperados pelos economistas consultados pela Reuters e do que as previsões do banco central geradas por inteligência artificial -- um pouco abaixo disso.

Investidores que apostam que a queda da inflação forçará o BCE a começar a reduzir as taxas de juros já em abril podem se sentir encorajados por essas novas previsões geradas por computador do próprio banco central.

Mas Lane argumentou que a "ampla distribuição" dos possíveis resultados implícitos no modelo de IA exigia cautela.

"Os modelos dizem: 'há muitas possibilidades aqui, espere que os (dados) lhe digam, porque você não gostaria de colocar todas as suas apostas no centro dessa distribuição'."

(Por Balazs Koranyi)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes