PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Bancários de todo o país decidem entrar em greve a partir do dia 19

12/09/2013 21h26Atualizada em 12/09/2013 22h31

Reunidos em assembleia em vários Estados do país, na noite desta quinta-feira (12), trabalhadores do setor financeiro, em campanha salarial, decidiram entrar em greve a partir do 19 de setembro.

Correios estão parados

Os funcionários dos Correios decidiram deflagrar greve por tempo indeterminado.

Trabalhadores de São Paulo, Tocantins, Rio de Janeiro, Bauru, Rondônia, Ceará, Pernambuco, Paraíba, São José do Rio Preto (SP) e Vale do Paraíba estão parados

Carlos Cordeiro, presidente da Contraf (Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro), entidade ligada à CUT (Central Única dos Trabalhadores), disse ao Valor que a paralisação será por tempo indeterminado e espera que os "banqueiros" atendam à reivindicação de 11,93% de reajuste salarial (5% de aumento real), piso salarial para a categoria bancária referente ao valor calculado pelo Dieese (acima de R$ 2.000) e o fim das demissões no setor, além de melhores condições de trabalho. 

O Contraf representa dez federações e 143 sindicatos das bases onde trabalham cerca de 95% dos 490 mil bancários do país.

De acordo com a confederação, a proposta da Fenaban foi o ajuste de 6,1% sobre salários, pisos e todas as verbas salariais (auxílio-refeição, cesta-alimentação, auxílio-creche/babá etc.).

Também propõe participação nos lucros e resultados (PLR) de 90%, mais valor fixo de R$ 1.633,94, limitado a R$ 8.927,61 (o que significa reajuste de 6,1% sobre os valores da PLR do ano passado). Também foi proposta uma parcela adicional da PLR - 2% do lucro líquido dividido linearmente a todos os bancários, limitado a R$ 3.267,88.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Bancários do Rio, Almir Aguiar, a categoria tem nova assembleia marcada para a próxima quarta-feira (18), na Galeria dos Empregados no Comércio, "para ratificar a decisão tomada na assembleia de hoje e cumprir as exigências legais da Lei de Greve, que determina uma segunda assembleia para ratificar a paralisação".

Como a pauta dos bancários é unificada, os funcionários do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal também vão paralisar as atividades, assim como os trabalhadores dos bancos privados.

Segundo a Contraf, a Fenaban negou aumento real nos salários, propondo somente a recomposição da inflação, medida pelo INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor).

"A proposta da Fenaban ignora todas as reivindicações dos bancários sobre emprego, saúde,  condições de trabalho, segurança e igualdade de oportunidades", diz a Contraf.

PUBLICIDADE