Bolsas

Câmbio

Temer tem me incentivado muito a ser candidato, diz Meirelles

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou ao programa "Mariana Godoy Entrevista", exibido na noite desta sexta-feira na Rede TV!, que o presidente Michel Temer tem lhe encorajado a sair candidato à sua sucessão este ano. "Em nossas conversas, o Temer tem me incentivado muito a ser candidato, demonstrado entusiasmo e tem me encorajado, dando muita força", disse o ministro. A entrevista foi gravada na quinta-feira.


Meirelles disse que a decisão sobre se sairá candidato será tomada em 7 de abril e que descarta, em princípio", a possibilidade de ser vice em outra chapa ou continuar como ministro no próximo governo. "Acho que minha missão no ministério já está para ser cumprida", afirmou. O ministro descartou também tentar um mandato parlamentar.


Questionado sobre por que gostaria de ser presidente da República, Meirelles disse que a pessoa que quer essa missão tem que ter histórico de serviços prestados, reputação inquestionável - critérios em que se diz encaixar -, mas, mais importante, é que as pessoas com quem se relaciona pedem para que ela seja candidato, "pelo trabalho que estamos fazendo no ministério". "Isso é o mais importante, ser algo que as pessoas querem."


Previdência


Sobre a reforma da Previdência, Meirelles disse não saber se ela será feita este ano, mas acredita ser possível se, a questão da segurança do Rio de Janeiro permitir o levantamento da intervenção federal antes do fim do ano, seja possível haver a votação da proposta ainda neste ano. Mas garante que a reforma será feita, por ser uma "necessidade matemática". "Ela [a reforma] será feita cedo ou tarde, mas quanto antes, melhor."


Meirelles não considera que tenha sido uma derrota do governo não ter conseguido os votos necessários para votar a reforma antes da intervenção no Rio. "A intervenção federal no Rio foi um imprevisto. Ninguém previa que o carnaval no Rio teria aquela crise de segurança, nesse nível de ameaça coletiva à vida das pessoas".


Ele disse que não concorda com a suspensão temporária da intervenção para a votação da reforma. "A suspensão tem que ser definitiva. Se pensou nessa alternativa, mas na análise de juristas do governo e de fora dele, concluiu-se que teriam riscos judiciais, de ser muito questionada a própria votação da reforma na Justiça."


Corrupção


A respeito das operações de combate à corrupção, o ministro disse que é muito importante que continuem. "O problema maior da corrupção muitas vezes nem é o desvio de dinheiro, mas o mau uso dos recursos públicos. É fundamental isso que está sendo feito no Brasil. O Brasil está botando a casa em ordem. Em muitos países que eu visito as pessoas dizem: 'puxa vida, gostaria que isso estivesse acontecendo aqui no meu país também', então isso ajuda a melhorar a percepção do país", afirmou.


Ainda nesse assunto, questionado se, como presidente do conselho de administração da J&F - holding controladora da JBS -, não teve conhecimento da corrupção em que o grupo se envolvia, voltou a afirmar que seu trabalho lá era técnico, objetivo e concentrado na criação do banco digital Original. "Isso já foi examinado por todo mundo e nunca houve nada. Não tinha conhecimento das operações e não era o objeto de meu trabalho lá."


Impostos


Meirelles descartou, ainda, a possibilidade de aumento de impostos este ano e disse que o ajuste no Orçamento do país é baseado no corte de despesas: "Não há projetos de criação de impostos, não vai ter aumento de alíquotas. Fiquem tranquilos, porque o nosso ajuste é nas despesas", garantiu.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos