Só faz o necessário? Cuidado! Mediocridade é um perigo para sua carreira

Daniela do Lago

Daniela do Lago

  • Reprodução/TripleSeat

"Não seja burro! Não vão lhe pagar mais para fazer bem feito esse trabalho." Você já ouviu uma frase como essa na sua empresa? Se sim, lamento profundamente que tenha tido contato com pessoas com esse tipo de pensamento e, se me permite uma dica, não a tenha por perto.

A mediocridade é um perigo para qualquer área da sua vida, ainda mais para sua carreira. Infelizmente, muitos profissionais, se não forem obter alguma vantagem explícita, só farão o básico --e olhe lá!

Cultura assistencialista

Essa forma corrosiva de pensar se deriva da nossa cultura assistencialista: muitos brasileiros acham que a empresa deve algo para ele só por estar na empresa. Isso não corresponde à realidade do mundo corporativo, e quem continuar pensando dessa forma logo estará fora do mercado de trabalho.

Em minha prática trabalhando em inúmeras organizações pelo Brasil, sempre ouço a seguinte reclamação: "Eu faço mais por essa empresa do que ela faz por mim". Nunca ouvi o contrário: "Essa empresa faz muito mais por mim do que eu por ela". Como pode? Será que isso é mesmo verdade? Essa conta não fecha!

É fato que vejo alguns profissionais ralando muito e dando seu sangue pela empresa sem serem recompensados ou reconhecidos. Isso também me entristece. Mas quero que faça uma análise na sua empresa: essa é a realidade da maioria das pessoas que trabalham contigo?

Cultura da mediocridade

Já passou da hora de pararmos com essa cultura da mediocridade em nossas ações e, vou além, somos estimulados desde nossa infância a buscar a mediocridade. Por exemplo, na escola, poucos são os alunos que lutam pela excelência e não se permitem tirar notas baixas. A maioria está feliz demais com notas apenas acima da média. Desde que dê para passar de ano, está bom.

Observo também que, quando se trata de trabalhar, muitos profissionais nivelam por baixo. A mediocridade se alastrou nas empresas. Os funcionários só fazem o que precisam fazer para manter seus empregos e pegam no pé de quem faz além da conta e procura ter um desempenho melhor, como se tal postura fosse "coisa de idiota".

O que a pessoa medíocre não percebe é que o reconhecimento que ela espera dos outros nunca vem justamente porque os outros notam que ela não faz nada além do necessário. Ela nunca é promovida, nunca sai do lugar na carreira, e não sabe por quê.

É muito comum os medíocres fingirem empenho para chamar a atenção de pessoas que poderiam ajudá-los a crescer na empresa. O que elas não percebem é que a excelência pessoal é uma postura íntima e isso transparece, dá para ver de longe, "só de olhar" dá para notar quem tem excelência e quem não tem. Não dá para fingir.

Preocupado demais com injustiça?

Quero deixar claro que ser excelente não irá garantir sua promoção. Nem sempre a meritocracia funciona, mas a preocupação com a injustiça ("Fulano foi promovido e isso não é justo, pois eu sei que sou mais capaz que ele") é também parte da cultura da mediocridade.

Só os medíocres perdem tempo se preocupando com as injustiças da vida. Os excelentes sabem que a injustiça faz parte e não se estressam com ela, contornando casos injustos contra si mesmos, como contornam qualquer obstáculo.

Busque a excelência

Quero falar com você que está lendo esse artigo e não se considera medíocre, pois tem a ambição de conquistar algo mais ousado em sua vida e realizar os seus sonhos.

Saiba, então, que fazer o básico e o mesmo que os outros não será suficiente para conquistar suas metas profissionais. Seja autêntico e pare de ser vítima das circunstâncias que tanto corroboram para cultura da mediocridade.

Procure estar próximo de pessoas que admira profissionalmente, pessoas que o incentivam e o inspiram. Isso lhe dará a energia necessária para enfrentar aqueles momentos em que se pensa em desistir. Buscar excelência vai dar trabalho, mas também trará uma imensa satisfação, plenitude e grandeza.

Não seja burro fazendo um trabalho medíocre. Faca tudo com excelência! Seja um profissional excelente. Não faça nada que não seja de maneira excelente, seja da mais simples tarefa até a mais complexa. Você jamais perderá na sua vida por deixar um rastro excelente na estrada de sua carreira.

Aristóteles disse: "Nós somos o que repetidamente fazemos. A excelência, portanto, não é um feito, e sim um hábito".

Quer saber mais sobre assuntos relacionados a comportamento no trabalho? Siga-me nas redes sociais nas quais sempre compartilho e posto conteúdo e materiais sobre temáticas de gestão de pessoas.

Instagram @danieladolago
Facebook: treinamentos Daniela do Lago

Daniela do Lago

Daniela do Lago é especialista em comportamento no trabalho, coach de carreira, mestre em administração e professora.

UOL Cursos Online

Todos os cursos