PUBLICIDADE
IPCA
+0,31 Abr.2021
Topo

Carla Araújo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

IBGE já tem protocolos sanitários prontos para realizar o Censo neste ano

Ministério da Economia diz que não há verba para a realização da pesquisa - Reprodução
Ministério da Economia diz que não há verba para a realização da pesquisa Imagem: Reprodução
Carla Araújo

Jornalista formada em 2003 pela FIAM, com pós-graduação na Fundação Cásper Líbero e MBA em finanças, começou a carreira repórter de agronegócio e colaborou com revistas segmentadas. Na Agência Estado/Broadcast foi repórter de tempo real por dez anos em São Paulo e também em Brasília, desde 2015. Foi pelo grupo Estado que cobriu o impeachment da presidente Dilma Rousseff. No Valor Econômico, acompanhou como setorista do Palácio do Planalto o fim do governo Michel Temer e a chegada de Jair Bolsonaro à Presidência.

Do UOL, em Brasília

28/04/2021 15h18

Depois do cancelamento do Censo em 2020 por conta do início da pandemia do coronavírus, o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) já estava com os preparativos para este ano em andamento e, segundo fontes do instituto, tinha praticamente prontos todos os protocolos sanitários para que a pesquisa fosse realizada neste ano.

Antes de deixar o cargo, a então presidente Susana Cordeiro Guerra fez uma força-tarefa em Brasília para tentar sensibilizar membros da equipe econômica e parlamentares sobre a importância do Censo, mas acabou vencida pelos argumentos de falta de recursos.

Ela deixou o cargo alegando questões pessoais, mas o fato de o trabalho em defesa do Censo ter fracassado certamente contribuiu para a frustração da servidora de carreira.

Em artigo enviado aos funcionários do IBGE em sua despedida, Susana afirmou que o Censo "mais do que nunca será fundamental para o futuro do Brasil".

"A importância do Censo é reafirmada pelo próprio contexto da pandemia, que coloca o país numa ampla gama de profundos desafios. O Censo é crítico neste processo, uma vez que só ele será capaz de revelar, com precisão, essa realidade, subsidiando assim a tomada de decisões e a formulação de políticas públicas", disse.

Pandemia "como desculpa"

No ministério de Paulo Guedes (Economia), além de argumentar a dificuldade de recursos, uma das justificativas usadas internamente para o novo cancelamento do Censo neste ano era de que o avanço da pandemia impossibilitaria que os representantes do IBGE entrassem na casa dos brasileiros.

Apesar disso, o argumento é rechaçado por fontes ligadas ao IBGE que afirmam que os protocolos e a ordem de compras de EPIs (Equipamentos de proteção individual) estavam todos organizados.

Além disso, técnicos citam as eleições e a realização do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) como exemplos de grandes eventos que poderiam ter sido cancelados com a justificativa da pandemia.

O edital para abertura de 200 mil vagas para recenseadores chegou a ser aberto e acabou suspenso, mas o IBGE já teria inclusive treinamentos prontos para minimizar o risco de contato e contágio.

Enquanto presidente, Susana também chegou a solicitar, no fim do ano passado, ao Ministério da Saúde prioridade para a vacinação para os recenseadores. A ideia era tentar vacinar os representantes do Censo no segundo semestre, antes do começo da pesquisa.

Desafio do novo presidente

Nomeado nesta semana como novo presidente do IBGE, Eduardo Rios Neto disse que seu o maior desafio será realizar o Censo Demográfico "com qualidade e boa cobertura" no ano que vem quando, "provavelmente", será executado.

Nesta quarta-feira, porém, o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Marco Aurélio Mello, determinou que o governo realize o Censo neste ano.

Fontes do governo dizem que ainda será avaliado se a União vai ou não recorrer da decisão.