PUBLICIDADE
IPCA
1,16 Set.2021
Topo

Gabriela Chaves

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

5 lições que Beyoncé traz sobre o mundo dos negócios

Beyoncé faz 40 anos - Reprodução/Instagram
Beyoncé faz 40 anos Imagem: Reprodução/Instagram
Conteúdo exclusivo para assinantes
Gabriela Chaves

Gabriela Chaves é economista e fundadora da NoFront - Empoderamento Financeiro, plataforma que ensina educação financeira a partir de músicas de RAP. Também é mestranda em Economia Política Mundial pela UFABC e pesquisadora do NEPAFRO - Núcleo de Estudos Afro-Americanos, nas áreas de gênero, raça e trabalho. Em 2020, pela Editora Senac São Paulo, lançou o livro “Economia do Setor Público”.

16/09/2021 04h00

Cantora, atriz, modelo, produtora e empresária, Beyoncé chega aos 40 anos sendo uma artista completa, reconhecida como uma das maiores vozes da indústria musical. Muito se fala da Beyoncé como artista, mas não como empresária e empreendedora. Para além de inúmeros sucessos, Queen B - como é chamada pelos fãs - se destaca também como uma mulher de negócios.

Provavelmente, você já deve ter ouvido falar da Ivy Park, marca de roupas da cantora voltada ao segmento esportivo. No entanto, poucos sabem que, antes de se tornar fenômeno de vendas em todo o mundo, a marca teve um lançamento muito mais tímido, em 2016. Foi em 2019, ao lado da Adidas, que Beyoncé relançou a Ivy Park, em um formato muito mais ambicioso: coleções limitadas, exclusivas, lançadas em tempo real, no mundo inteiro. O resultado? Beyoncé bate recorde de vendas e garante a distribuição global de sua marca.

IvyPark - Divulgação - Divulgação
Coleção Adidas X Ivy Park: divulgação
Imagem: Divulgação

O case de sucesso da Ivy Park e de Beyoncé, fomentado pela collab com a Adidas, é sinônimo de autenticidade e impactou o mercado da moda. A marca desperta interesse nas pessoas, se conecta com suas necessidades, extrai valores que antes não eram valorizados, ressignifica e propõe algo revolucionário e fora do tradicional.

Beyoncé, desde o fundamento da marca, levanta bandeiras que perpassam inclusão, empoderamento, diversidade e a responsabilidade social em primeiro plano. Pensando nessas questões, organizei cinco aprendizados que podemos ter com a Ivy Park:

1. É preciso se reinventar

Diferencial é um ponto-chave para quem quer se destacar no mercado e, muitas vezes, se reinventar é determinante. A Ivy Park, em seu nascimento, foi pensada em um modelo de negócio diferente do atual, ao lado da Topshop. No entanto, Philip Green —proprietário do grupo Arcadia, que detém a Topshop— foi acusado de violência sexual e racismo, o que resultou no fim desta parceria.

Diante dessas questões, Beyoncé buscou parceiros intimamente conectados com seus valores e propósito. Ao lado da Adidas, o lançamento global e online da Ivy Park evidenciou potências até hoje negligenciadas pelo mercado da moda, como o potencial de consumo de corpos diversos, por exemplo. E todas essas questões se traduziram na autenticidade nas cores e na diversidade da coleção como um todo.

2- Faça parcerias estratégicas

Somos a soma de muitas pessoas e ter isto em mente pode ser o ponto alto de um negócio. Ao buscar a Adidas, Beyoncé não só buscou um parceiro comercial, mas também uma marca que compartilhasse dos valores e propósito estabelecidos por sua marca. Ao fechar aliança com a grande cadeia do esporte, a Ivy Park atingiu um novo patamar.

O feat entre as marcas é uma parceria estratégica que expande produtos, impacta pessoas e gera identificação - tudo potencializado pelo marketing e um investimento gigantesco em branding. Associada à marca, a cantora realizou lançamento global que resultou na venda de mais de 70 mil peças de tênis, em um só minuto, nos Estados Unidos. Já no Brasil, todos os produtos disponíveis da coleção esgotaram em uma hora, no site oficial da Adidas.

3 - Tenha uma identidade própria e autêntica

Beyoncé usa sua imagem para pautar temas relevantes na sociedade. Não é de hoje que ela fomenta a criação de espaços mais inclusivos e diversos em seus projetos. Com a Ivy Park, não foi diferente. A empresária apresentou nova coleção com imagens e vídeos que a evidenciaram em todas as suas formas: artista, mãe, visionária, criativa e mulher de negócios. Desse jeito, Beyoncé tem utilizado sua marca para promover representatividade de gênero e racial junto com o questionamento: O que te move? O que te faz sonhar? A resposta? "Your Park" (Seu espaço).

4 - Corpos reais também querem consumir

A Ivy Park tem em seu DNA inclusão e diversidade. Além de contemplar todos os corpos e suas singularidades, traz peças com variedade de tamanhos e sem identidade de gênero. Grande parte da coleção pode ser usada por homens e mulheres, sem limitações e estereótipos. Ivy Park é o rompimento dos paradigmas impostos pela indústria da moda. Ao investir nos corpos reais, a marca - ainda que minimamente - fez uma reconfiguração de cenário.

5 - Preço

Valor e preço são coisas bastante diferentes. As pessoas compram um produto ou serviço quando veem valor agregado naquilo, independentemente do preço. Dentro deste contexto, a Ivy Park construiu uma experiência e os resultados de venda foram recordes, apesar da crise econômica e dos preços salgados.

Beyoncé não apenas chacoalhou as estruturas, mas deixou uma mensagem: é uma gigante no mundo dos negócios. Que sejamos potência e sigamos aprendendo com a sagacidade de mulheres negras como a Queen B.

PUBLICIDADE

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL