PUBLICIDADE
IPCA
0,73 Dez.2021
Topo

José Paulo Kupfer

Sem lockdown, mortes em São Paulo quadruplicariam em julho, aponta estudo

Conteúdo exclusivo para assinantes
José Paulo Kupfer

Jornalista profissional desde 1967, foi repórter, redator e exerceu cargos de chefia, ao longo de uma carreira de mais de 50 anos, nas principais publicações de São Paulo e Rio de Janeiro. Eleito “Jornalista Econômico de 2015” pelo Conselho Regional de Economia de São Paulo/Ordem dos Economistas do Brasil, é graduado em economia pela FEA-USP e integra o Grupo de Conjuntura da Fipe-USP. É colunista de economia desde 1999, com passagens pelos jornais Gazeta Mercantil, Estado de S. Paulo e O Globo e sites NoMinimo, iG e Poder 360.

22/05/2020 18h59

Se a atual política de distanciamento, em vigor no estado de São Paulo, for mantida até fim de junho, o número de mortos por covid-19, em relação ao total registrado até esta sexta-feira (22), praticamente dobraria em junho, avançando de 5,7 mil para 11,2 mil, e mais do que quadruplicaria, até o fim de julho, passando de 33 mil. Para evitar mais óbitos, nesse cenário, serão necessários, apenas em São Paulo, mais mil leitos de UTI, em junho, e outros 7 mil, em julho.

Estas são as conclusões de um estudo preliminar sobre a evolução das infecções por covid-19, no estado de São Paulo, de autoria do economista Naercio Menezes-Filho e do pesquisador do Insper Bruno Kawaoka Komatsu. Naercio, professor do Insper e da Faculdade de Economia, da USP, é referência na área da economia da educação.

A OMS (Organização Mundial de Saúde) declarou, nesta sexta-feira (22), que a América do Sul se transformou num novo epicentro da pandemia de covid-19 e alertou que o Brasil é país mais afetado da região. Em seu informe diário, a entidade informou que as mortes no Brasil, nas últimas 24 horas, representam um quarto do total registrado no mundo.

Com base em modelo matemático de projeção epidemiológica, Naercio Menezes e Bruno Komatsu sugerem a adoção de medidas de confinamento obrigatório (lockdown) em junho. Uma ressalva importante é que a taxa de contágio considerada, de 3, foi a do início da pandemia. Hoje, em São Paulo, sob efeito das medidas de distanciamento adotadas, a taxa de contágio se encontra na metade daquele índice anterior. Mas só com a taxa de contágio abaixo de 1 é que se conseguirá reverter a ascensão da curva de infectados, aliviando, em consequência, a pressão sobre o sistema de saúde e o acúmulo de mortes.

Com um confinamento mais rígido, o número acumulado de mortes, no mês que vem e em julho, somaria 4 mil, metade em cada mês, e a necessidade de leitos em UTI se limitaria a 700 vagas adicionais, no bimestre. Somente nesses dois próximos meses, portanto, a diferença entre o distanciamento poroso vivido em São Paulo no momento e um trancamento mais forte de atividades e deslocamentos, a partir de junho, significaria poupar pelo menos oito mil vidas, no estado.

Parte da redução de óbitos se daria em razão da descompressão da utilização de leitos em UTIs. Com o distanciamento no padrão atual, o déficit de leitos de UTIs, no fim de julho, em comparação com o total disponível agora, alcançaria 3 mil leitos. São Paulo dispõe, no momento, de cinco mil leitos de UTIs, dos quais apenas 30%, o equivalente a 1,5 mil, encontram-se disponíveis.

A demora em adotar medidas mais duras de restrição de circulação de pessoas tem sido crucial para o aumento do número de infectados e de mortes por covid-19. Estudo divulgado nesta quarta-feira (21) pela Universidade de Columbia, contabiliza 36 mil mortes a mais do que ocorreriam se o distanciamento fosse iniciado uma semana antes. Se as restrições tivessem sido iniciadas no primeiro dia de março, 54 mil vidas teriam sido poupadas. Já são quase 95 mil mortes e 1,5 milhão de infectados, nos Estados Unidos.

PUBLICIDADE