Só para assinantesAssine UOL
Opinião

Pnad, inflação dos EUA e fala de Campos Neto são destaques do dia

Veja as principais notícias que impactam o seu bolso hoje.

Assista ao vivo aos destaques dos mercados, com análises dos especialistas de Research do PagBank, e se prepare para investir melhor.

Acompanhe o programa diariamente, de segunda a sexta-feira, às 8h40, e fique bem informado sobre todas as notícias e mudanças que impactam os mercados. Aproveite também para tirar suas dúvidas sobre investimentos.

O programa é apresentado pela equipe de Research e Economia do Pagbank.

Conheça a página de Investimentos do UOL, onde você tem orientações sobre como investir melhor para conquistar um sonho e garantir seu futuro.

Tem dúvidas? Envie sua pergunta para uoleconomiafinancas@uol.com.br.

Veja a análise do dia no vídeo a seguir, confira os destaques noticiosos mais abaixo e tenha um bom dia de investimentos:

No Brasil, será divulgada nesta quarta-feira (22) a Pnad Contínua do terceiro trimestre de 2023. Além disso, investidores devem repercutir a fala de Roberto Campos Neto, ontem. O presidente do Banco Central disse que o esforço fiscal do governo tem ajudado a autoridade monetária a reduzir a Selic. Segundo ele, o governo fez um "esforço muito grande" e "válido" nas contas públicas na saída da pandemia. Campos Neto ainda citou a queda da inflação com pouco custo à atividade econômica para dizer que o Brasil teve "um bom ano", o que os economistas chamam de "soft landing". Hoje ainda, ele dará uma palestra em evento promovido pela Frente Parlamentar pelo Mercado Livre, no Senado Federal, às 8h.

Continua após a publicidade

Nos EUA, investidores repercutem a ata da última reunião do Fomc (Comitê de Mercado Aberto) e os resultados da gigante de chips Nvidia. A ata mostrou que os dirigentes não descartaram a possibilidade de mais aperto monetário caso não haja progressos no processo de retomada da estabilidade de preços. Ainda assim, o mercado mantém uma aposta majoritária de que o Fed não voltará a subir juros no ciclo atual e fará cortes a partir de maio do ano que vem. As expectativas dos mercados continuam com uma probabilidade de 29% de corte nas taxas de juros em março e de 60% em maio. Quanto aos resultados da Nvidia, os lucros e receitas ajustados no terceiro trimestre superaram as expectativas, mas a empresa admitiu que as vendas para a China seriam significativamente reduzidas pelas restrições dos EUA. Ainda assim, a queda seria mais do que compensada pelo forte crescimento em outras regiões. Na agenda econômica, os investidores estarão atentos às encomendas de bens duráveis, aos pedidos semanais de seguro-desemprego e aos dados sobre o sentimento do consumidor. Lembrando que esta semana é mais curta em Wall Street por conta do feriado americano de Ação de Graças.

Na Europa, as bolsas operam com visão positiva. O mercado espera a atualização do quadro orçamentário britânico. O governo do Reino Unido deve adotar uma postura cautelosa na atualização das contas públicas que serão divulgadas hoje. Na semana mais curta nos EUA, por conta do feriado amanhã, os investidores também devem repercutir a ata do Fed divulgada ontem. Na agenda econômica, a Comissão Europeia informará a confiança do consumidor da zona do euro às 12h.

Na Ásia, as bolsas fecharam sem direção única, após ata Fed ter reforçado preocupações sobre a inflação nos Estados Unidos. Na China, o índice de Xangai consistiu em sessão em baixa de 0,79%, enquanto a referência dos negócios em Shenzhen alcançou 1,41%. Em Hong Kong, o Hang Sang ficou estável, já o Taiex, de Taiwan, cedeu 0,61%. O índice Nikkei, de Tóquio, avançou 0,29%. Na Coreia do Sul, o Kospi, de Seul, ganhou 0,05%.

Opinião

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

As opiniões emitidas neste texto são de responsabilidade exclusiva da equipe de Research do PagBank e elaboradas por analistas certificados. O PagBank PagSeguro e a Redação do UOL não têm nenhuma responsabilidade por tais opiniões. A única intenção é fornecer informações sobre o mercado e produtos financeiros, baseadas em dados de conhecimento público, conforme fontes devidamente indicadas, de modo que não representam nenhum compromisso e/ou recomendação de negócios por parte do UOL. As informações fornecidas por terceiros e/ou profissionais convidados não expressam a opinião do UOL, nem de quaisquer empresas de seu grupo, não se responsabilizando o UOL pela sua veracidade ou exatidão. Os produtos de investimentos mencionados neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão preencher o questionário de suitability para a identificação do seu perfil de investidor e da compatibilidade do produto de investimento escolhido. As informações aqui veiculadas não devem ser consideradas como a única fonte para o processo decisório do investidor, sendo recomendável que este busque orientação independente e leia atentamente os materiais técnicos relativos a cada produto. As projeções e preços apresentados estão sujeitos a variações e podem impactar os portfolios de investimento, causando perdas aos investidores. A rentabilidade obtida no passado não representa garantia de resultados futuros. Este conteúdo não deve ser reproduzido no todo ou em parte, redistribuído ou transmitido para qualquer outra pessoa sem o consentimento prévio do UOL.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes