Todos a Bordo

Todos a Bordo

Reportagem

Gol em reestruturação: o que é o leasing e quanto custa 'alugar' aviões?

Uma das principais dívidas da Gol, que anunciou no dia 25 uma reestruturação financeira nos EUA, é com o leasing de aeronaves. Também chamado de arrendamento mercantil, essa modalidade é uma espécie de "aluguel", muito usada na aviação.

Mediante um pagamento mensal a um lessor, as empresas podem arrendar o avião que melhor se encaixa em seu modelo de negócios. Após o fim do contrato, a companhia aérea pode devolver a aeronave e e trocar por outra quando achar melhor, mas sem ser dona daquele bem.

Quanto custa?

O leasing de uma aeronave de grande porte costuma ultrapassar os US$ 300 mil (R$ 1,48 milhão) mensais. A Gol tem uma frota de 141 aeronaves, composta pelos seguintes modelos:

  • Boeing 737-700
  • Boeing 737-800
  • Boeing 737-800 BCF (cargueiro)
  • Boeing 737 Max 8

Preço subiu no pós-pandemia devido a atrasos nas entregas e falta de peças. No segundo semestre de 2023, um Boeing 737 Max 8, modelo mais recente operado pela Gol, tinha um leasing em torno de US$ 360 mil a US$ 370 mil (R$ 1,77 milhão a R$ 1,82 milhão) mensais.

A empresa não divulga os valores oficiais dos contratos.

Não é melhor comprar?

O valor de compra do avião gira em torno de US$ 125 milhões (R$ 615 milhões). Segundo Larissa Paganelli, advogada especialista em direito aeronáutico do Kincaid Mendes Vianna Advogados, há vantagens e desvantagens nessa modalidade de contrato. "Cada caso deve ser analisado dentro da realidade operacional e financeira de cada empresa aérea", diz.

Entre as vantagens, destacam-se:

Continua após a publicidade
  • Menor custo imediato para a empresa com o leasing, que pagará valores menores em comparação com a compra.
  • Possibilidade de trocar os aviões antigos por modelos mais novos em menor tempo. Isso acaba reduzindo custos com combustível e manutenção da frota, considerando que as aeronaves mais modernas tendem a ser mais econômicas.
  • Os impostos do leasing são menores do que os que incidem sobre a compra.

Já entre as desvantagens, estão:

  • Necessidade de manter as obrigações contratuais e pagamentos mesmo que a companhia aérea esteja sem operar ou realizando menos voos por causa de alguma crise, por exemplo.
  • Além disso, ao final do contrato, na maioria dos casos, o avião é devolvido, e a companhia aérea fica sem a aeronave pela qual pagou por anos.

Gol passa por reestruturação

A Gol anunciou nesta quinta-feira (25) que aderiu voluntariamente ao Chapter 11 nos Estados Unidos. O processo é similar à recuperação judicial no Brasil, mas com mais possibilidades, inclusive de acesso a financiamentos e renegociação da dívida.

Nossos voos vão operar conforme o programado, bilhetes podem ser comprados em todas as plataformas, todas as reservas permanecem válidas.
Celso Ferrer, CEO da Gol, em coletiva à imprensa no dia 25

Continua após a publicidade

Nos últimos anos, três grandes empresas aéreas da América Latina passaram pelo processo do Chapter 11. São elas:

  • Aeromexico (México) - 2020 a 2022
  • Avianca (Colombia) - 2020 a 2021
  • Latam (Chile) - 2020 a 2022

Todas completaram as suas respectivas reestruturações e operam normalmente. Hoje, Gol e Avianca formam o grupo Abra, mas mantêm as operações das empresas independentes.

Reportagem

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes