PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Minério de ferro, petróleo e crise na Ucrânia derrubam Bolsa brasileira

Conteúdo exclusivo para assinantes

Felipe Bevilacqua

18/02/2022 09h16

Esta é a versão online para a edição de hoje da newsletter Por Dentro da Bolsa. Para assinar este e outros boletins e recebê-los diretamente no seu email, cadastre-se aqui.

Após sete altas consecutivas, o Ibovespa sucumbiu ao mau humor predominante no exterior, e fechou em queda de 1,43%, aos 113.528 pontos na quinta-feira (17).

Diferentemente dos dias anteriores, nos quais contou com a agenda política esvaziada, os bons resultados de grandes empresas e a alta dos preços do petróleo e do minério de ferro para fechar em alta, destoando dos mercados norte-americano e europeu, a Bolsa brasileira se viu desamparada no último pregão, e não encontrou fôlego para fechar novamente no azul.

No exterior, as principais Bolsas de Valores do planeta fecharam em queda, contaminadas pelo agravamento da crise envolvendo o risco de invasão russa à Ucrânia. Isso porque o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse que o risco de uma invasão russa ao país vizinho é muito alto, informando ainda que a Rússia estaria planejando simular um ataque ucraniano às suas tropas, com o intuito de usar o ocorrido como pretexto para uma retaliação.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, por outro lado, disse novamente que a Rússia não tem intenção de atacar a Ucrânia, e acusou Biden de alimentar a tensão entre os países.

Além do tom negativo predominante no exterior, o Ibovespa foi prejudicado pela queda dos preços das commodities.

Primeiramente porque um representante internacional do governo iraniano informou que o país estaria nos estágios finais de uma negociação com os Estados Unidos para restabelecer o acordo nuclear que limita as atividades com Urânio no Irã. Caso o acordo volte a vigorar, os EUA removeriam as sanções ao petróleo iraniano, o que aumentaria a oferta do insumo no mercado internacional.

Em adição a isso, o governo chinês tem pedido a comerciantes que liberem estoques excessivos de minério de ferro, o que tem contribuído para a forte queda da commodity nos últimos dias.

Com as commodities em queda, Petrobras (PETR3/PETR4) e Vale (VALE3) - que juntas respondem por mais de 25% da composição do Ibovespa - acumularam perdas no pregão, e merecem atenção especial nesta sexta-feira.

Leia no 'Investigando o Mercado' (exclusivo para assinantes do UOL Economia Investimentos): informações sobre os resultados da Nvidia, gigante do setor de tecnologia, no quarto trimestre de 2021.

Um abraço,

Felipe Bevilacqua

Analista certificado e sócio-fundador da Levante
CNPI - Analista certificado pela Apimec
Gestor CGA - Gestor de Fundos certificado pela Anbima
Administrador de Recursos e Gestor autorizado pela CVM

Queremos ouvir você

Tem alguma dúvida ou sugestão sobre investimentos? Mande sua pergunta para uoleconomiafinancas@uol.com.br.

Este material foi elaborado exclusivamente pela Levante Ideias e pelo estrategista-chefe e sócio-fundador Rafael Bevilacqua (sem qualquer participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco . Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.