Só para assinantesAssine UOL

Vale (VALE3) e Porto do Açu assinam acordo focado em descarbonizar cadeia siderúrgica

A Vale (VALE3) informou que assinou um memorando de entendimento com o Porto do Açu, localizado em São João da Barra (RJ), para estudar a criação de um centro de desenvolvimento de ferro-esponja via rota de redução direta.

Em um primeiro momento, diz o comunicado, o local receberia pelotas da Vale e poderá futuramente contar com uma fábrica de briquete de minério de ferro para atendimento da planta de redução direta do local.

"Com esse compromisso firmado, as empresas buscarão atrair investidores e clientes que construam e operem a planta de redução direta, com uso de gás natural, que já estará disponível no Porto do Açu, e a possibilidade de convertê-la no futuro para hidrogênio verde, produzindo HBI com emissão de carbono próxima a zero", destacou a Vale.

A iniciativa contempla um estudo técnico coordenado pelo Porto do Açu e acadêmicos do setor, que propõem a utilização de HBI como carga parcial em altos-fornos, reduzindo a emissão de gases de efeito estufa e aumentando a produtividade do processo siderúrgico sem a necessidade de substituição dos ativos produtivos existentes.

Assim, de acordo com a Vale, o acordo com o Porto do Açu é mais um passo da companhia para desenvolver no Brasil o modelo dos "mega hubs", complexos industriais voltados à fabricação de produtos siderúrgicos de baixo carbono, que estão sendo implantados pela empresa em três países do Oriente Médio (Arábia Saudita, Emirados Árabes e Omã).

"Acreditamos que o Brasil tem um grande potencial para ser um polo da siderurgia de baixo carbono. Temos minério de ferro de alta qualidade, reservas de gás natural abundantes e potencial para desenvolver o hidrogênio verde. Como uma empresa brasileira, a Vale busca se associar a empreendimentos que contribuam nessa direção. Queremos ser indutores da "neo-industrialização" do Brasil, que será baseada na indústria verde", afirma o vice-presidente executivo de Soluções de Minério de Ferro, Marcello Spinelli.

Vale (VALE3) pagará R$ 535,4 milhões em remuneração semestral de debêntures participativas

A Vale informou que realizará o pagamento de remuneração das debêntures participativas no próximo dia 2 de outubro, no valor bruto de R$ 1,378039458 por debênture, totalizando R$ 535.449.710,83.

Terão direito ao pagamento os detentores com posição em custódia na B3 (B3SA3) e/ou no Bradesco (BBDC4), no fechamento da próxima sexta-feira (29). Segundo a Vale, esse valor contempla os seguintes pagamentos:

Continua após a publicidade
  • prêmio sobre venda do produto minério de ferro (R$ 520.172.384,17);
  • prêmio sobre venda do produto concentrado de cobre (R$ 15.206.976,01);
  • prêmio sobre alienação de direitos minerários (R$ 70.350,65).

Ainda de acordo com a mineradora, a liquidação financeira ocorrerá em 3 de outubro de 2023, conforme agente custodiante do título.

"Há incidência de imposto de renda na fonte na modalidade de rendimento referente a investimentos financeiros de renda fixa, sobre o montante a ser pago aos debenturistas, aplicando-se a alíquota relativa à situação individual do beneficiário, com exceção daquele que comprovar, de modo inequívoco, o seu direito à dispensa de retenção na forma da lei", acrescentou a Vale.

Desempenho das ações da Vale

Este material foi elaborado exclusivamente pelo Suno Notícias (sem nenhuma participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo nenhum tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco. Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.

Deixe seu comentário

Só para assinantes